Alerj: CCJ decide dar continuidade a processo de cassação de Abrahão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de maio de 2003 as 10:52, por: cdb

Por seis votos a um, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembléia Lesgislativa do Rio de Janeiro (Alerj) decidiu levar à plenário o processo de cassação do mandato do deputado Marcos Abrahão por quebra de decoro. Seu assessor, Vanderlei Cruz, é acusado de ser o mandante do assassinato de Valdeci Paiva de Jesus, de quem Abrahão era suplente.

Depois do parecer apresentado pelo deputado Domingos Brazão (PMDB), em que pedia o arquivamento do processo, a decisão, em voto secreto, atingiu Abrahão de surpresa. O único deputado a defendê-lo publicamente, Paulo Ramos (PDT), não teve seus apelos levados em consideração pela Casa.

– Não julgamos o crime, mas a quebra de decoro, que transcende o mandato. Prefiro errar por excesso que acertar pela displicência – afirmou o presidente da CCJ, Paulo Melo (PMDB).

Novo relatório, com o voto da maioria, será apresentado amanhã para ser ratificado pela comissão. O futuro de Abrahão será decidido no dia 28 em plenário. Para cassá-lo, são necessários 36 votos, maioria absoluta da Casa.

Embora ainda não admita abertamente a hipótese de renúncia ao mandato – o que manteria seus direitos políticos, permitindo pudesse se eleger novamente nas próximas eleições estaduais – Marcos Abrahão já não demonstra a firmeza que ostentava no início do processo.

– Só há dois placares, nesse jogo não tem empate. Perdi – analisa para logo depois afirmar – Até o momento, continuo com o pensamento de não renunciar.

Abrahão ainda nutre planos de concorrer à prefeitura de Rio Bonito, seu reduto eleitoral.

Se for confirmada, esta poderá ser a segunda cassação da história da Alerj. A primeira foi a de Aluízio de Castro (PPB), por 43 votos a 14, em 1998.