Alemanha teme incentivo ao terrorismo com eventual guerra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 22 de fevereiro de 2003 as 10:19, por: cdb

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Joschka Fischer, disse hoje temer que uma guerra contra o Iraque possa causar distúrbios no Oriente Médio e fortalecer o terrorismo internacional.

Em um discurso em Berlim, onde ele também pediu ao presidente iraquiano, Saddam Hussein, que cooperasse totalmente com os inspetores de armas da ONU (Organização das Nações Unidas), Fischer disse que a Alemanha continuava se opondo à guerra enquanto os inspetores fizessem progresso no desarmamento do Iraque.

“A questão central é: O terrorismo internacional será enfraquecido ou involuntariamente enfraquecido com um ataque militar?”, questionou Fischer durante uma reunião de seu partido Verde em Berlim.

“E o que isso significa, não só para a estabilidade da região mas para a nossa segurança? É por isso que estou convencido de que a guerra é apenas o último recurso, e não o próximo recurso”, declarou o ministro alemão, em meio a aclamações dos membros do partido Verde.

“Meu medo é que estejamos indo na direção errada”, disse Fischer, acrescentando que os esforços para desarmar o Iraque por meios não-militares ainda não foram exauridos. A Alemanha, que tem poder de veto no Conselho de Segurança da ONU, é um dos principais opositores a uma guerra liderada pelos EUA contra o Iraque.

Fischer afirmou que os inspetores da ONU estavam trabalhando no Iraque mais efetivamente que nunca e que não havia motivo para interromper esses esforços com um ataque militar para forçar Bagdá a se desarmar.

“Nós queremos um sistema de desarmamento, mas baseado em uma intervenção não-militar. Nós não queremos uma guerra para o desarmamento porque não acho que isso irá solucionar os problemas”, declarou Fischer