Alemanha e UE negam criação de imposto de solidariedade

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 10 de outubro de 2015 as 10:51, por: cdb

Por Redação, com Reuters – de Bruxelas/Genebra:

A Alemanha e autoridades da União Europeia negaram neste sábado uma reportagem que afirmava que Berlim e Bruxelas estavam em conversas informações sobre um tipo de imposto solidário europeu para ajudar a cobrir os custos decorrentes do fluxo recorde de requerentes de asilo.

– Nós não queremos aumentos de impostos na Alemanha ou introduzir um imposto na União Europeia – disse o porta-voz do governo Steffen Seibert em comunicado.

O jornal disse que os fundos adicionais do imposto solidário seria usados para ajudas membros da União Europeia
O jornal disse que os fundos adicionais do imposto solidário seria usados para ajudas membros da União Europeia

Um porta-voz da Comissão Europeia também desmentiu a reportagem. “Não há tal proposta atualmente na mesa ou em preparação”, disse ele, adicionando que a Comissão nunca comenta rumores da imprensa.

Mais cedo neste sábado, o Sueddeutsche Zeitung noticiou que o governo alemão e a Comissão Europeia ponderavam um imposto que poderia ser levantado por meio de um imposto adicional sobre petróleo ou com um aumento do Imposto sobre o Valor Adicionado(VAT, na sigla em inglês).

O jornal disse que os fundos adicionais do imposto solidário seria usados para ajudas membros da União Europeia, como Espanha, Itália, Grécia ou Bulgária, assegura suas fronteiras, bem como ajudar a melhorar as condições de moradia nos países de origem daqueles que estão pedindo asilo, para encorajar seus cidadãos a permanecer neles.

Refugiados na Grécia

O número de refugiados que chegam às ilhas gregas saltou de cerca de 4,5 mil para 7 mil por dia no final de setembro, provavelmente por causa dos temores de que o clima irá piorar em breve, disse a Organização Internacional para as Migrações (OIM) na sexta-feira.

O aumento acentuado em questão de dias se deu enquanto os países da Europa lutam para acertar uma estratégia comum para controlar o fluxo de pessoas e proteger as milhares que se arriscam em viagens marítimas.

Também nesta sexta-feira, António Guterres, chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), exortou a União Europeia a criar um sistema aceitável logo, e alertou que o clima imprevisível pode levar a mais mortes.

– Esta é uma situação caótica que é terrível para os países, cria tensão entre os países e ao mesmo tempo é horrível para as pessoas – afirmou Guterres em uma coletiva de imprensa às vésperas de uma visita à Grécia que inclui encontros com o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, na próxima segunda-feira.

– De repente, com o tipo de clima que você tem nos Bálcãs, isso pode se tornar uma tragédia a qualquer momento. E não há resposta fácil para isso, a menos que você tenha um mecanismo para controlar as coisas do ponto de partida – disse.

Quase 3 mil pessoas já morreram, segundo estimativas do Acnur. As autoridades de uma das ilhas gregas disseram estar ficando sem espaço para enterrá-las.

Muitos dos recém-chegados são sírios, afegãos e iraquianos fugindo das guerras e da perseguição.

A OIM declarou que acredita que a taxa elevada de 7 mil chegadas diárias irá durar enquanto o clima permitir.

– O padrão, ao longo dos dois últimos anos, tem sido que quanto piores ficam as águas e quanto mais frio fica o clima, menos dispostas as pessoas ficam para fazer a viagem – disse Joel Millman, porta-voz do OIM, aos jornalistas.