Agressão à chinês é um fato isolado – diz sindicato

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 8 de setembro de 2003 as 15:10, por: cdb

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio de Janeiro, Josias Alves Belo, classificou de fato isolado as agressões que levaram à morte o comerciante chinês, Chan Kim Chang, no presídio Ary Franco.

– Evidentemente que é um fato grave que deve ter uma apuração rigorosa do Estado. Nós não somos coniventes com prática de tortura ou desvio de conduta, mas não podemos admitir que um fato tão grave como aquele sofra hoje exploração política – afirmou.

Josias considera ainda que as conclusões já divulgadas sobre o caso são precipitadas e não contribuem em nada para a apuração dos fatos. “A conclusão de que aconteceu tortura, de que ele foi espancado assim ou assado são precipitadas. Há todo um processo de investigação em curso. Há de se atentar ainda para a versão dos agentes”.

Sobre as denúncias de que todos presos quando chegam aos presídios sofrem agressões dos agentes, o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários disse que todas as denúncias devem ser investigadas acrescentando que o Estado é omisso com a questão penitenciária.

– Além dos maus tratos, o sistema penitenciário do Rio tem também um desrespeito aos direitos humanos com os presos e com os funcionários. O salário e os recursos não são suficientes e o agente acaba sendo responsável por uma política que é de um grupo – denunciou.