Adeus ao meu editor Eliakim Araújo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 22 de julho de 2016 as 15:53, por: cdb
Atualizado em 24/07/16 12:03
Direto da Redação
Logotipo original do Direto da Redação, Editor: Eliakim Araújo (2002-2014)

Por Rui Martins, de Genebra:

De volta de uma viagem pela Crimeia, que incluiu também Moscou, na Rússia, fui surpreendido pela notícia da morte do meu colega, criador, fundador e ex-editor deste Direto da Redação, Eliakim Araújo.

Acabo de ler o emocionante testemunho sobre seus últimos dias, escrito por sua esposa, Leila Cordeiro, e lamento não ter havido tempo para conhecê-lo pessoalmente, só me restando a lembrança de sua voz por telefone.

Não fosse o convite de Eliakim para integrar a equipe do Direto da Redação, em junho de 2006, nesta altura já estaria no limbo dos jornalistas desativados e esquecidos, pois minha demissão da CBN me privara do contato diário com centenas de milhares de ouvintes.

Eliakim Araújo editou o Direto da Redação
Eliakim Araújo editou o Direto da Redação

Nunca perguntei qual a razão do convite, mas imaginei ser consequência da publicação de meu livro sobre as contas secretas na Suíça, do ex-governador paulista Paulo Maluf, cuja revelação acabou por provocar minha demissão da CBN, dada minha insistência em acompanhar e divulgar a denúncia da Polícia Federal suíça.

O Direto da Redação editado por Eliakim Araújo era composto de uma equipe de dez a doze jornalistas vivendo em lugares diferentes. Além de ser um um site, podendo ser conectado por leitores, Eliakim recorria a um informático para a postagem das colunas e fotos, substituídas duas vezes por semana, e para a distribuição a 25 mil endereços email, incluindo autoridades, personalidades, parlamentares, além dos leitores interessados.

Uma pequena nota definia os objetivos do Direto da Redação e definia o trabalho dos colunistas, que sendo voluntário não era remunerado:

Somos um grupo de jornalistas e profissionais de comunicação livres e independentes. … Todos têm suas atividades próprias e toparam dedicar algum tempo semanalmente ao Direto da Redação pelo puro prazer de escrever e colocar para fora críticas e pensamentos que certamente não teriam liberdade de fazê-lo em veículos da mídia corporativa. … Os colaboradores do Direto da Redação têm ampla liberdade e assumem a responsabilidade pelo que escrevem.Não temos nenhum compromisso político-partidário. Nosso objetivo é transformar o Direto da Redação num fórum permanente para discussãode idéias, onde o direito de crítica e de resposta seja democraticamente respeitado.

Minhas duas primeiras colunas foram sobre uma luta, depois transformada em campanha e movimento, que iniciei sozinho em Genebra, como correspondente da CBN e do Estadão, junto aos parlamentares e políticos por ali passando, logo depois da promulgação da Constituição de 1994.

A revisão da Constituição de 1988, tinha retirado o direito à nacionalidade brasileira nata dos filhos de brasileiros nascidos no Exterior e essas crianças seriam apátridas ao chegarem aos 18 anos, quando lhes seria retirado o passaporte, utilizado como documento de viagem.

Por isso, meu movimento tinha o nome de Brasileirinhos Apátridas, e tinha sido responsável pela introdução no Senado de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 272/00, de autoria do senador Lúcio Alcântara, por iniciativa do então ministro José Serra, com quem me encontrara em 1999, em Genebra.

Embora aprovada pelo Senado, a PEC estava paralisada na Câmara. Minhas duas colunas falavam da campanha, já bastante ativa no Orkut –1) jornalista denuncia : filhos de brasileiros nascidos no exterior não são reconhecidos como brasileiros natos pela nossa Constituição. 2) excluídos no Brasil, emigrantes correm o risco de terem também seus filhos excluídos pelo Brasil. A linguagem dos consulados e a frieza da nossa lei.

Eliakim encampou nossa luta que acabou sendo vitoriosa com a promulgação da Emenda Constitucional 54/07, graças aos deputados Carlito Merss e Rita Camata. O Direto da Redação teve grande importância na divulgação da campanha.

O Direto da Redação era também uma tribuna criada por Eliakim, jornalista competente, e seus textos eram lidos com respeito inclusive pelas autoridades.

Embora pouco saibam foi com o apoio de Eliakim que lancei no Direto da Redação a primeira matéria, repercutida em Paris, em favor da libertação e não extradição do militante de esquerda italiano, Cesare Battisti, acusado de crimes não comprovados. Era uma luta desigual, porque do lado dos favoráveis à extradição de Battisti estavam a mídia de direita e mesmo a revista Carta Capital.

Não será exagero afirmar ter sido decisivo o apoio do Direto da Redação na conquista da não extradição de Cesare Battisti, com a assinatura do ex-presidente Lula contra decisão do STF. Porque desmistificou a campanha pretensamente de esquerda da Carta Capital contra o militante italiano.

Essa credibilidade conquistada pelo Direto da Redação só foi possível, graças ao prestígio e seriedade de Eliakim Araújo.Cada um dos doze colunistas muito teria para contar sobre a repercussão de seus escritos, depois de publicados no Direto da Redação.

Infelizmente, depois de financiar e prestigiar o Direto da Redação durante doze anos, Eliakim nos comunicou em março de 2014 seu desejo de entregar a continuidade do Direto a um dos colunistas, caso contrário seria obrigado a suspender a publicação.

A transição tomou dois meses e foi por sugestão do próprio Eliakim que consultei o Editor-chefe do Correio do Brasil, Gilberto de Souza, sobre a possibilidade da publicação do Direto da Redação no online do jornal. Obtido esse espaço, o Direto da Redação, fundado por Eliakim Araújo, voltou a ser publicado no dia 1 de junho de 2014.

Por indicação dos colegas assumi a edição e, nestes dois anos, venho procurando seguir à letra o compromisso de Eliakim Araújo de transformar o Direto da Redação num fórum de debates com a participação de colunistas livres e independentes, dentro do contexto atual da grave crise política brasileira.

Manter vivo o nome do nosso fundador e seguir suas diretrizes fixadas há mais de 14 anos, é, no meu entender, a maior homenagem que este editor e os colunistas do Direto da Redação podem prestar ao pioneiro dos portais e blogs políticos, Eliakim Araújo, cuja morte foi anunciada dia 17 nos Estados Unidos.

Nosso pesar à sua viúva Leila Cordeiro e aos seus filhos, Rui Martins, editor, em nome de toda equipe.

Comments are closed.