Acordo entre Argentina e Venezuela cria banco para a América do Sul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007 as 17:11, por: cdb

Entre os 18 convênios assinados entre Argentina e Venezuela na quarta-feira teve destaque a concretização do Banco do Sul, para financiar projetos de desenvolvimento de países mais pobres da América do Sul. A idéia partiu do presidente venezuelano Hugo Chávez.

Chávez e o presidente argentino Néstor Kirchner ressaltaram a importância do Banco do Sul. Um dos primeiros objetivos do banco seria financiar parte do gasoduto entre Bolívia e Argentina.

Kirchner disse que o organismo deveria ter “uma filosofia diferente de alguns bancos internacionais”, que “se converteram em verdadeiros castigos para os povos”.

O chefe de Estado venezuelano deu alguns detalhes sobre a constituição da nova entidade financeira, que se formará, a princípio, “com um capital inicial de US$ 1 bilhão” e que “terá 120 dias para a constituição e posterior assinatura do estatuto”.

– Estão convidados todos os governos da América Latina -, disse Chávez.
 
Ele adiantou que a sede central estará em Caracas, capital da Venezuela, e que haverá outra em Buenos Aires. O presidente venezuelano disse que Evo Morales, presidente da Bolívia, e Rafael Correa, do Equador, já comunicaram a intenção de “aderir” ao Banco do Sul.

Nestor Kirchner assegurou que seu país e a Venezuela “são e serão, por nossa concepção e por como entendemos a construção de nossas realidade, absolutamente respeitosos nas relações e nas situações internas de cada país”.