Abu Alá exige interrupção na construção do ‘muro de segurança’ antes do cessar-fogo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de novembro de 2003 as 11:31, por: cdb

O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Ahmed Qurea (Abu Alá), exigiu que seu colega israelense, Ariel Sharon, cesse a construção do “muro de segurança” antes de acertar uma trégua com a resistência na Cisjordânia e Gaza.

Segundo declarou Abu Alá em Gaza à rede de televisão árabe Al Jazira, para chegar a um cessar-fogo “sério e autêntico” com as facções palestinas, o Governo de Sharon deverá destruir os assentamentos e outras instalações que Israel construiu nos territórios ocupados da Cisjordânia e de Gaza desde a guerra de 1967.

Outra das exigências, explicou o primeiro-ministro, será a retirada do Exército israelense das cidades e outras áreas palestinas autônomas da Cisjordânia.

As negociações para concretizar a trégua (udna) dos grupos da resistência palestina deverão começar no dia 2 de dezembro, no Cairo, com a mediação do Egito.

A interrupção das obras do “muro” de segurança que Israel levanta em territórios palestinos da Cisjordânia é a primeira condição do primeiro-ministro da ANP para amparar o cessar das ações da resistência.

O primeiro-ministro palestino também exige a suspensão total de toda construção nos assentamentos judeus da Cisjordânia e de Gaza, que os palestinos reivindicam para estabelecer um estado soberano.

Além disso, Abu Alá pede a suspensão do cerco de Israel na cidade de Jerusalém e o fim da construção de outro muro de segurança que isola milhares de vizinhos palestinos.

Israel também teria que acabar com o isolamento que está submetido o presidente da ANP, Yasser Arafat, na cidade de Ramala, onde está confinado há quase dois anos.

Para afiançar o cessar-fogo, Israel deverá libertar milhares de prisioneiros palestinos, disse Abu Alá, mas sua condições divergem com as intenções de Sharon, que está disposto a tomar “medidas unilaterais” a fim de impulsionar o “Mapa de Caminho”, o plano de paz do Quarteto de Madri que servirá de base para a reunião prevista.

O primeiro-ministro israelense, ao qual se atribui a intenção de evacuar assentamentos judeus “isolados” e uma “reorganização” do exército na Cisjordânia, disse que está disposto a dar “passos unilaterais”, mas não se sabe quais serão.

Abu Alá declarou à Al Jazira que por enquanto não foi fixada a data para sua primeira reunião com Sharon, prevista para esta semana, mas que, mais provavelmente, será realizada quando finalizem os festejos da festa muçulmana de Aid Al-Fitr.

O primeiro-ministro palestino decartou que o encontro com Sharon deveria contar com uma agenda e resultados estipulados antecipadamente, e que o lugar deveria ser “cuidadosamente” eleito.

-Não queremos uma reunião para as câmeras- sustentou Abu Alá.