Abortos matam 70 mil mulheres por ano no mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de outubro de 2009 as 12:21, por: cdb

A difusão de anticoncepcionais reduziu a taxa de abortos no mundo, mas a prática ainda mata 70 mil mulheres por ano e causa danos ou sequelas em milhões de outras, segundo um relatório divulgado nesta terça-feira.

Embora muitos países estejam facilitando o acesso ao aborto, ainda que com restrições, o número de interrupções de gravidez caiu de cerca de 45,5 milhões em 1995 para 41,6 milhões em 2003, de acordo com o estudo do Instituto Guttmacher, dos Estados Unidos.

Mas o relatório aponta um número ainda elevado, quase 20 milhões, de abortos precários, a maioria em países pobres e realizados pelas próprias gestantes, que usam medicamentos inadequados ou poções vegetais, ou então por curandeiros sem treinamento específico.

– É trágico que, embora a taxa geral de abortos esteja em declínio, o aborto inseguro não tenha declinado –, disse Sharon Camp, presidente do Instituto Guttmacher, que estuda a saúde sexual e reprodutiva.

– Restrições legais não impedem o aborto, simplesmente tornam o procedimento perigoso. Muitas mulheres são mutiladas ou mortas a cada ano por não terem acesso ao aborto legal –, disse ela numa entrevista coletiva em Londres.

Os pesquisadores dizem que 40% das mulheres ainda vivem em países onde o aborto é altamente restrito. Eles defenderam um maior esforço para melhorar o acesso a anticoncepcionais que poderiam evitar parte das 76 milhões de gestações indesejadas por ano.

Eles disseram também que no mundo em desenvolvimento o atendimento a mulheres que sofrem lesões devido a abortos arriscados custa cerca de meio bilhão de dólares.

– Por trás de cada aborto está uma gravidez indesejada –, disse Akinrinola Bankole, diretor de pesquisas internacionais do Guttmacher.

Na opinião dele, as nações em desenvolvimento e os países doadores deveriam olhar as cifras, que demonstram claramente que “prevenir a gravidez indesejada tem uma boa relação custo-benefício”.

Na Nigéria, por exemplo, um estudo recente mostrou que os custos de tratar mulheres por causa de complicações resultantes de abortos malsucedidos é de cerca de US$ 19 milhões por ano, e que bastaria US$ 4,8 milhões para fornecer anticoncepcionais a todas as mulheres que os desejassem.

Os pesquisadores admitiram que não é realista evitar totalmente a necessidade de abortos, mas que melhorar o acesso a anticoncepcionais e pressionar pela retirada de restrições ao aborto é uma meta válida em nível global.

– As mulheres vão continuar a buscar o aborto se ele for seguro, e não enquanto a demanda não-atendida pela contracepção continuar elevada –, disse Camp. – Com suficiente vontade política, podemos garantir que nenhuma mulher tem de morrer a fim de acabar com uma gravidez que ela nem desejou nem planejou –, afirmou.

Camp citou a Holanda como exemplo e disse esperar que a taxa global um dia caia dos 29 abortos por cada mil mulheres com idade entre 15 e 44 anos, para cerca de 10 por mil, a taxa registrada na Holanda.