Aberta a temporada de caça ao terrorista Osama bin Laden

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de setembro de 2001 as 14:52, por: cdb

O líder terrorista Osama bin Laden se consolida como o principal suspeito de ser o mentor intelectual e espiritual dos ataques terroristas aos EUA. A caçada ao milionário árabe começou na manhã desta quarta-feira e o FBI chegou a cercar um hotel em Boston.

As agências de inteligência dos Estados Unidos teriam interceptado telefonemas entre bin Laden e partidários em que comemoravam o sucesso dos ataques contra o World Trade Center e o Pentágono. A informação é do senador republicano Orrin Hatch, que reconhece nestes sinais o suficiente para iniciar uma caçada mundial ao líder religioso e milionário saudita.

– Foi interceptada uma comunicação em que gente associada a Bin Laden reconhece ter criado impacto num par de brancos – disse Hatch, do estado de Utah e presidente da Comissão de Assuntos Judiciais do Senado, em entrevista à agência Associated Press. Ele se negou, no entanto, a revelar mais detalhes da investigação.

Bin Laden está no Afeganistão, como convidado dos talibãs, cujo ministro das Relações Exteriores, em pronunciamento oficial, afirmou que ele não era responsável pelos ataques.

As autoridades estariam investigando ligações do grupo de Bin Laden no estado da Flórida, embora diferentes fontes indiquem que investigações acontecem em diferentes pontos do estado. A rede CNN divulgou que o FBI, a polícia federal americana, solicitara mandados de busca e apreensão para vistoriar locais não divulgados em Daytona Beach, no centro do estado da Flórida. O Canal 10 de Miami, afiliada local da rede ABC, informou que agentes federais estão investigando uma casa na cidade de Davie, a cerca de 30 quilômetros ao noroeste de Miami. Segundo a agência Associated Press, fontes policiais informaram que, além de Daytona, as buscas incluíam o condado de Broward, no sul do estado.

A pista é a casa de um possível seguidor de Bin Laden que estava na lista de passageiros de um dos aviões seqüestrados.

Outro ponto de partida para as investigações são as ligações feitas por telefones celulares de passageiros pouco antes dos aviões atingirem seus alvos em Nova York e Washington. Pelo menos um comissário de bordo e dois passageiros, em três aviões, fizeram ligações, todos descrevendo circunstâncias similares: os seqüestradores estavam armados e apunhalaram tripulantes antes de tomar controle do avião e forçar sua queda.

Um desses passageiros era Barbara Olson, esposa do inspetor-geral Theodore Olson, um alto funcionário do Departamento de Justiça, que telefonou ao marido em pleno seqüestro aéreo do vôo 77 da American Airlines, que caiu contra o Pentágono. Olson teria dito ao marido que os atacantes usavam navalhas para tomar o controle do avião e obrigar passageiros a passar para a parte posterior da aeronave. Theodore Olson confirmou a ligação.

Em Massachusetts, segundo o “Boston Herald”, autoridades identificaram cinco homens de origem árabe como suspeitos no ataque e confiscaram um carro de aluguel onde havia manuais de treinamento de vôo no Logan International Airport. Dois dos homens eram irmãos, um deles, piloto treinado. De acordo com o jornal, os investigadores suspeitam que os dois irmãos estavam a bordo do avião seqüestrado do vôo 175 da United Airlines, um dos que atingiu o World Trade Center. Pelo menos dois outros suspeitos voaram para Logan de Portland, Maine, na terça-feira, onde teriam chegado depois de viajar recentemente do Canadá. As autoridades teriam sido informadas sobre o carro de aluguel por um civil que teria brigado com homens árabes no estacionamento.