Abbas quer o fim de restrições ao trânsito de palestinos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 20 de junho de 2003 as 14:00, por: cdb

O primeiro-ministro palestino, Mahmoud Abbas – também conhecido como Abu Mazen – disse nesta sexta-feira que o governo israelense deveria acabar com todas as barreiras à movimentação de palestinos dentro de seu território.

Abbas fez a afirmação depois de se reunir com o secretário de Estado americano, Colin Powell, que está visitando Israel e os territórios palestinos para dar novo impulso ao plano de paz para a região.

Sobre o plano de paz, o primeiro-ministro palestino falou que vai cumprir suas obrigações e que continua apostando no processo. Ele também disse que espera de Israel a libertação de todos os prisioneiros palestinos.

Powell havia se reunido antes, também nesta sexta-feira, com o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharion.

Síria

O secretário de Estado dos Estados Unidos disse a Abbas que o presidente americano, George W. Bush, está comprometido em melhorar as condições de vida dos palestinos.

Antes do encontro, ele havia criticado a atuação da Síria no combate a grupos militantes islâmicos palestinos e libaneses que têm bases na capital, Damasco.

De acordo com Powell, o país tomou algumas atitudes contra os grupos, mas Washington não as considerou suficientes.

Ele afirmou que os Estados Unidos vão continuar a pressionar a Síria e que o país precisa se “esforçar” mais para melhorar sua relação com os americanos.

Logo após o encontro com Sharon, Powell havia dito que a retomada da violência nos últimos dias aumentou a determinação de Washington em “destruir” os que estiverem impedindo o “objetivo da paz”.

Powell afirmou que está otimista com a iniciativa de Israel de libertar prisioneiros palestinos e remover assentamentos judeus clandestinos.

Trabalho conjunto

O secretário disse também que os primeiros-ministros israelense, Ariel Sharon, e palestino, Mahmoud Abbas, devem trabalhar juntos para conter a violência e criar instituições conjuntas.

Já Ariel Sharon afirmou, em um discurso, que o processo de paz não terá progresso caso o “terrorismo” continue.

Sharon declarou que não perderá nenhuma oportunidade de avanço no sentido de uma solução política para a crise envolvendo Israel e os palestinos.

Horas antes da chegada do secretário americano a Jerusalém, soldados israelenses entraram em confronto com colonos judeus durante a operação de remoção de um assentamento na Cisjordânia.