A realidade americana que Hollywood não mostra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de setembro de 2004 as 00:34, por: cdb

Os problemas no Brasil na esfera da educação são colossais. Mas, quem pensa que nos Estados Unidos  a situação é muito diferente, há uma lista enorme que reflete problemas que não são dignos de uma nação de primeiro mundo, aliás, da nação mais rica do mundo.

 

O problema vem desde a era Nixon e se agrava com George W. Bush no poder.

 

Existem 44 milhões de americanos que estão na classe dos  “analfabetos funcionais”, aqueles que não conseguem ler além do ensino básico, ou seja, da 4ª série do Ensino Fundamental.

 

Um americano passa 99 horas por ano lendo um livro, contra 1460 horas assistindo televisão.

 

Apenas 11% do povo americano se preocupa em ler um jornal diário.

 

O presidente George Bush assume que não lê quase nada – incluindo documentos e resumo de notícias – e acha que a África é um país e não um continente.

 

Durante um discurso para formandos na Universidade de Yale (onde ele se formou), ele disse “E, para os estudantes que recebem nota C, digo, vocês também podem ser presidentes dos Estados Unidos”, se referindo a ele próprio, que tinha maioria de notas “C”.

 

Um grupo de 556 formandos de 55 universidades americanas de prestígio (Yale, Harvard, Stanford) passou por um teste de múltipla escolha, em questões de “nível de colegial”. Apenas 53% das questões foram respondidas corretamente.

 

As duas questões que tiveram maior índice de acerto foram (1) Quem é Snoopy Dog Dog com 98% (famoso cantor de rap) e (2) Quem são Beavis e Butt-Head (personagem de um desenho animado da MTV) com 99% de acerto.

 

De cada quatro escolas, em uma é possível encontrar alunos “aprendendo” com livros didáticos publicados na década de 1980 – ou de antes.