A peça “A Caminho de Casa” é o novo desafio do grupo Armazém Cia. de Teatro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 16 de setembro de 2004 as 20:02, por: cdb

Temer a Deus torna as pessoas mais sábias ou as faz temer a tudo? A discussão entre dois personagens, logo no início de A Caminho de Casa, revela o caráter provocador do espetáculo que a Armazém Cia. de Teatro estréia amanhã, dia 17, na Fundição Progresso. A oscilação entre fé – em Deus, principalmente, mas também no homem, no amor, na vida. O ceticismo é o motor da trama criada pelo diretor do grupo, Paulo de Moraes, com seu parceiro, Maurício Arruda de Mendonça.

A Caminho de Casa se divide em três histórias que partem de um ponto comum: a explosão de um ônibus nos arredores de uma grande cidade. Em Sobre a Dificuldade de Dar um Passo, a tragédia provocada por um homem-bomba dá início a um grande engarrafamento, obrigando um bando de estranhos com visões bem diferentes do mundo a conviver por um par de dias. Seis carcaças de carros compõem o cenário pelo qual desfilam figuras como uma lutadora, uma manicure, um legista, uma noiva e um taxista e sua passageira.

“O engarrafamento me parece um bom simbolismo para falar dessa facilidade de aproximação e ao mesmo tempo de diluição das relações do homem”, situa Paulo. No segundo ato, A História do Velho Sufi e do Menino Judeu, a ação é narrada por um grupo de prostitutas. Através delas, o público entra na vida do órfão judeu (Simone Mazzer) que descobre a alegria ao se aproximar de um vizinho árabe. A última parte, Crianças Brincando em Campo Sagrado, mostra a conversa entre a mãe que perdeu o filho na explosão do ônibus e Deus.

A Fundição Progresso fica na Rua dos Arcos, 24. O telefone para contato é (21) 2220-5070.