A Fita Branca é apontado como favorito ao Oscar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010 as 13:44, por: cdb

A Fita Branca, do diretor austríaco Michael Haneke, uma história sombria sobre as origens do terror nazista, é o favorito para receber o Oscar de melhor filme em língua estrangeira, segundo previsões de críticos de cinema.

O filme alemão em preto e branco já recebeu prêmios importantes, incluindo a Palma de Ouro em Cannes e o Globo de Ouro em Hollywood, fazendo dele o favorito na disputa, disseram críticos e observadores de premiações.

Entre os outros filmes estrangeiros indicados ao Oscar na terça-feira estão o drama criminal francês O Profeta e o filme peruano tristonho A Teta Assustada, que recebeu o prêmio principal do Festival de Cinema de Berlim.

Completaram as indicações a produção israelense Ajami e O Segredo dos Seus Olhos, do diretor argentino Juan José Campanella, o único dos cinco a já ter tido um trabalho anterior seu incluído nas indicações a essa categoria do Oscar.

– Sou supersticioso, então prefiro não cantar vitória antes da hora –, disse Haneke.

– Se você ganha o Oscar, isso é muito bom para os negócios — e, é claro, é uma honra.

A Fita Branca trata de uma série de crimes sinistros no norte da Alemanha na véspera da 1a Guerra Mundial. Os especialistas em Oscar acham que os prêmios que o filme já recebeu aumentaram sua exposição entre os eleitores do Oscar.

– É o favorito, e já recebeu muito reconhecimento –, disse o crítico de cinema Emanuel Levy. Mas ele chamou a atenção para o fato de que a categoria de filme estrangeiro às vezes reserva surpresas.

No ano passado a expectativa geral era que Valsa com Bashir fosse o vencedor na categoria, mas o filme israelense perdeu para o trabalho japonês A Partida

E A Teta Assustada, filme que transcorre em ritmo pausado, não era o favorito para vencer no Festival de Berlim este ano. No entanto, recebeu o prêmio principal e vem agradando aos cinéfilos.

A Teta Assustada é o primeiro filme do Peru indicado na categoria de melhor filme em língua estrangeira. A história trata de uma garota chamada Fausta, que nasceu de um estupro sofrido por sua mãe durante duas décadas de violência rebelde no país.

– É algo muito importante para nós –, disse a diretora peruana Claudia Llosa, de 33 anos.

– É como se nosso país estivesse mostrando sua memória ao mundo. Este filme mostra que, de algum modo, conseguimos arrancar algo de belo das trevas.

O diretor de O Profeta, o francês Jacques Audiard, disse em comunicado à imprensa que se sente “espantado” e “imensamente grato” pela indicação de seu filme, sobre um jovem sentenciado a seis anos de prisão e obrigado a usar de sua astúcia para sobreviver a um perigoso enfrentamento entre quadrilhas.

O cineasta judeu Yaron Shani, que co-escreveu e co-dirigiu Ajami com o palestino Scandar Copti, disse que espera que a indicação ao Oscar atraia público a seu filme. Ambientado nas ruas do bairro Ajami, em Jaffa, o drama criminal trata das divergências entre os muçulmanos, cristãos e judeus da cidade.

Todos os diretores disseram que a indicação ao Oscar será um incentivo a seus filmes no difícil mercado de filmes em língua estrangeira nos Estados Unidos.

– Se meu filme ganhar o Oscar, isso será maravilhoso, é claro, mas a indicação é mais importante por transmitir a mensagem do filme e tentar chegar a mais pessoas –, disse Shani.