A “Caras” do Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 26 de outubro de 2002 as 15:52, por: cdb

Como será a Caras no governo Lula? A julgar pela edição 468 que chegou às bancas na quarta-feira, a revista já vive uma fase de transição sem saber muito bem para onde ir. A capa com Carla Perez e Xanddy dá bem a noção desse vazio.

Localizado numa praia a 47 quilômetros de Salvador, o casal ressurge das cinzas como a mais completa tradução desse período de profundas mudanças políticas. É inegavelmente popular e vive um momento de extrema felicidade com a chegada da filha, apesar de todas as incertezas sobre o aspecto que Camille Victoria terá no futuro. Param por aí as semelhanças com o governo Lula.

Caras está assim, meio esquisita, como se seus fotógrafos andassem por aí, clicando a esmo, à procura de novos personagens para o tempo que se anuncia. Você sabia que João Ricardo Coelho está escrevendo seu segundo livro? Que a apresentadora Laura Wie espera outra menina? Que Daniel Del Sarto e Juliana Didone estão apaixonados? Que Luciana Falcão se casou no Recife? Ou que Cida Marques e Márcio Moraes passaram dias adoráveis em Amsterdã?

Que gente é essa? Sinceramente, não sei, mas desconfio que tenham sido promovidas a celebridades no vácuo da transição da Caras de FHC para a Caras de Lula. É possível que jamais venhamos a ouvir falar delas de novo.

Falta à Caras um editor de esquerda, alguém como Luiz Favre para identificar quem é quem no governo Lula. Além de estar inteiramente disponível no mercado, o namorado de Marta Suplicy tem dois requisitos fundamentais para assumir o comando da revista: conhece o PT por dentro e, como quase todo manda-chuva de Caras, nasceu na Argentina.

Do jeito que chegou às bancas esta semana, Caras não emplaca o primeiro ano do governo Lula. A revista está chocha, desanimada, sem graça. A cobertura do banquete que Ivo Rosset, presidente da Valisère, ofereceu ao candidato do PT, francamente, foi feita nas coxas, sem a vibração que a revista costuma imprimir até a missas de Sétimo Dia.

Desânimo pega, vê-se na reportagem sobre a presença entediada de Xuxa na estréia teatral de Luciano Szafir ou no registro insosso da passagem de Rosinha e Garotinho por Guarapari. Nada mais, a não ser o desalento, justifica a escolha das piores fotos de Itamar Franco paquerando o traseiro da modelo Flávia Aleixo na inauguração de uma butique em Brasília.

E o que dizer da entrevista com Luis Fernando e Lúcia Verissimo sobre os netos que eles querem ter e os filhos não? Isso é lá papo para se levar com um casal de esquerda às vésperas da eleição do Lula. Peralá!

Se eu fosse editor da revista deixava tudo como sempre foi. Caras não é de direita ou de esquerda, é de cima, não importa quem esteja nessa posição. Por exemplo: Stênio Garcia fazendo imersão de vinhoterapia no Kur não é coisa se possa discriminar em governo algum. A barriga da namorada de Pepeu Gomes, também não.

Outro detalhe maravilhoso que vale o preço de capa de Caras esta semana: na ânsia de buscar uma nova cara para a revista, seus editores esqueceram César Filho e Elaine Mickely em Campos do Jordão. É por aí!