80 mil homens estarão patrulhando as eleições na Argentina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de abril de 2003 as 14:26, por: cdb

Mais de 80 mil militares, policiais e membros da prefeitura (forças de segurança militarizadas) patrulharão as eleições do próximo domingo na Argentina, onde 25,5 milhões de pessoas estão habilitadas para votar em 66.747 seções, disse nesta quinta-feira o governo argentino.

O ministro do Interior da Argentina, Jorge Matzkin, disse que o dispositivo de segurança para as eleições “supera os 80 mil efetivos” e, diante das denúncias de eventuais distúrbios, considerou que as eleições se realizarão “na ordem”.

No entanto, Matzkin advertiu em declarações à imprensa que “se alguém pretende fazer algo, terá que pensar nas consequências”.

– O governo não pode garantir que não haverá violência no domingo, mas estamos com as antenas ligadas, observando e cuidando de cada detalhe -, disse.

Violência

Alguns candidatos e os meios de comunicação social consideraram que, se o equilíbrio entre os candidatos detectado pelas pesquisas persistir, o próximo domingo pode ter atos de violência.

Nenhum dos favoritos, os peronistas Néstor Kirchner e o ex-presidente Carlos Menem (1989-99), assim como o ex-ministro da economia Ricardo López Murphy reuniriam os votos necessários para evitar um segundo turno no dia 18 de maio entre os dois candidatos mais votados.

Matzkin disse que no próximo domingo, por volta das 19h30, os primeiros resultados parciais da eleição serão conhecidos. As urnas serão abertas às 8h e fechadas às 18h.

O funcionário afirmou que se trata de uma eleição “relativamente simples, porque há apenas uma categoria, a de presidente, e calculamos que a partir das 19h30 começaremos a transmitir de forma parcial os resultados que vão chegando de todo o país”.