75ª entrega do Oscar com surpresas e discursos contra a guerra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de março de 2003 as 13:46, por: cdb

A 75ª edição da cerimônia de entrega do Oscar, o mais importante prêmio do cinema americano, concedido pela Academia das Artes e das Ciências Cinematográficas, se realizou neste domingo no Teatro Kodak de Hollywood em meio a rígidas medidas de segurança e discursos contra a guerra no Iraque.

A cerimônia foi mais discreta este ano por causa da guerra, sem o tradicional desfile sobre o tapete vermelho na entrada, com forte esquema de segurança. Segundo seus organizadores, o esplendor e a exuberância da cerimônia foram reduzidos para refletir o estado de ânimo do país em um momento de guerra. Mas a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood preferiu não fazer referências sobre a guerra.

Enquanto isso, do lado de fora do Teatro Kodak, milhares de manifestantes contra a guerra se concentraram juntamente com centenas de outros favoráveis. Frank Pierson, presidente da Academia, que lutou durante uma semana com o dilema de realizar o evento em meio à guerra controversa, disse ao público:

“Para todos os nossos homens e mulheres no exterior, que Deus os traga logo para casa. Ao povo iraquiano, digo: vamos ter paz em breve, que vocês vivam sem guerra. À luz de todos os problemas neste mundo, desejo paz a todos”.

Steve Martin, apesar das piadas, estava claramente desconfortável no papel de anfitrião. “Estou feliz que tenham cortado todo aquele brilho – talvez vocês tenham notado que não houve tapete vermelho esta noite. Isso vai mandar a eles uma mensagem”, disse, referindo-se aos manifestantes contra e favor da guerra que estavam do lado de fora.

O desconforto continuava na platéia e no palco, onde artistas contrários à guerra limitavam-se a protestar timidamente, muitos exibindo discretos broches reproduzindo a pomba da paz desenhada por Pablo Picasso.

Apesar da guerra ter roubado boa parte do glamour da cerimônia, o musical Chicago, favorito do espetáculo, teve a esperada vitória liderando a lista de prêmios, com seis estatuetas, incluindo melhor filme e atriz coajuvante, para Catherine Zeta-Jones. Chicago se tornou o primeiro musical a ganhar o prêmio da academia desde Oliver, em 1968. Em 1972, Cabaret, de Bob Fosse, ganhou oito oscar, mas não levou o de melhor filme.

As surpresas na premiação foram do diretor Roman Polanski e do ator Adrian Brody, por O Pianista, um filme sobre o holocausto. Polanski não foi à cerimônia porque é acusado de estuprar uma menina de 13 anos nos EUA, desde os anos 70. Seu filme levou o Oscar por Melhor Ator, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado. Ele vive atualmente na França, onde seu filme recebeu a Palma de Ouro do Festival de Cannes.

Adrien Brody, de 29, recebeu o prêmio de melhor ator por sua atuação em O Pianista, foi aplaudido de pé durante seu discurso. “Minha experiência ao fazer este filme me deixou muito atento à tristeza e à desumanização das pessoas em épocas de guerra e em suas repercussões. Quer você acredite em Deus ou Alá, que ele te proteja e rezemos para uma resolução pacífica e suave”, afirmou Brody que derrotou quatro detentores do Oscar e se tornou o mais jovem ator a ganhar a estatueta.

Outra surpresa foi o melhor roteiro original para Pedro Almodóvar, por Fale com Ela, já que é raro filme estrangeiro vencer nas principais categorias. Concorreu com Gangues de Nova York e um dos maiores sucessos de bilheteria nos EUA, Casamento Grego. O diretor espanhol dedicou seu prêmio a todas as pessoas que lutam pela paz e pelo cumprimento da lei internacional. De maneira velada, fez uma crítica ao governo Bush, que desrespeitou a decisão da ONU para iniciar a guerra.

Nicole Kidman, vencedora do Oscar de melhor atriz por “As Horas”, de Stephen Daldry, lembrou dos atentados de 11 de setembro. “Há muitos problemas no mundo e desde 11 de setembro tem havido muita dor e, com a guerra, famílias estão perdendo seus filhos – Deus os abençoe”, disse.

Michael Moore ganhou o Oscar de melhor documentário com Tiros em Columbine, filme que discute a cu