6,9 milhões de americanos recorreram a uma intervenção estética em 2002

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de março de 2003 as 20:09, por: cdb

No ano passado, 6,9 milhões de americanos sucumbiram à tentação da beleza a qualquer preço e se submeteram a uma intervenção estética, com ou sem cirurgia.

O aumento dos seios e a redução do abdômen foram duas das intervenções mais procuradas. Algumas mulheres também recorreram ao implante nos glúteos, uma prática ainda pouco utilizada, que permite o arredondamento das nádegas com a ajuda do silicone.

De acordo com a Sociedade de Cirurgia Plástica e Estética dos Estados Unidos, foram feitos 614 implantes de glúteos e 250 mil cirurgias de aumento dos seios em 2002.

Num popular programa de TV, afirmou-se recentemente que “a cirurgia de glúteos é o implante do novo milênio (…) Todo cirurgião plástico deve, a partir de agora, estar em condições de oferecer este serviço aos seus clientes”. A cirurgia consiste em colocar implantes de silicone sólido entre os músculos e a pele.

O número de americanos que recorreram ano passado à cirurgia estética aumentou 1%, chegando a 1,6 milhão. A procura pela cirurgia no abdômen cresceu 17%; o aumento dos seios, 15%; o lifting facial, 6%; e a redução das mamas, 1%, em 2002. As quatro cirurgias estéticas mais praticadas ano passado foram a lipoaspiração, o implante de silicone nos seios, a de pálpebras e a nasal.

De acordo com o presidente da Sociedade, Franklin DiSpaltro, apesar do lançamento de produtos como o Botox, que elimina as rugas, e o colágeno, que aumenta os lábios, o número de intervenções não -cirúrgicas caiu 23% ano passado, para 5,3 milhões. Desde 1997, o número de intervenções cosméticas cresceu globalmente 228%, segundo a Sociedade.