21 de Abril: Da esquerda à direita, cada um com a sua lição

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 19 de abril de 2003 as 11:57, por: cdb

Cada um tem o seu 21 de Abril. Um ano depois, cada uma das facções políticas relêem o fim inesperado do primeiro ano da eleição
presidencial. E tira as suas próprias conclusões. Enquanto a
Frente nacional, reunida em congressos, celebra em Nice o primeiro
aniversário do seu dia de glória, o campo republicano, PS excluído,
amarga o “golpe de trovão” que quebrou Lionel Jospin. “Waterloo
não se comemora”, justifica o deputado socialista Claude Bartolone.
“há algo que o impede de celebrar o 21 de Abril de 2002”, escreve o
Jean-Christophe Cambadélis.

As iniciativas: a presença nesta sexta-feira à noite, em Nice de François Holanda. Distante da discrição socialista, os
comunistas organizam domingo noite “um piquenique cidadão”, na Bastille, em Paris. Natal Mamère e militantes associados sonharão,
segunda-feira noite num teatro parisiense, lançar as bases de um
“movimento do 21 de Abril” que daria à juventude anti-Pen o gosto do
compromisso militante. No dia seguinte, mudança de cenário:
Jean-Pierre Raffarin e várias figuras da direita européia
participarão, na capital, de um colóquio sobre “a
análise do choque do 21 de Abril”.