200 mil pessoas ficam desabrigadas por inundações no rio Huai na China

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de julho de 2003 as 02:27, por: cdb

Mais de 200.000 pessoas tiveram de deixar suas casas e outras 500.000 estão em alerta na bacia do rio Huai, no leste da China, informou, nesta segunda-feira, a imprensa oficial.

As autoridades estimam em 375 milhões de dólares as perdas causadas pelas enchentes, que afetaram 1,5 milhão de pessoas e alagaram milhares de hectares de plantações.

Os evacuados pertencem à área da foz e a seis zonas nas quais os diques de contenção do rio foram destruídos ou abertos, para evitar inundações como as que a região sofreu em 1991 e mais de mil pessoas morreram.

O rio Huai, um dos mais importantes da bacia do Yangtse, flui pelas províncias chinesas de Jiangsu, Anhui e Henan (leste), e nesta área, uma das zonas mais densamente povoadas da China, vivem 150 milhões de pessoas.

O Governo da China destinou uma ajuda de 1,5 milhão de dólares para os afetados pela enchente, assim como alimentos e barracas de campanha para os desabrigados.

O presidente chinês, Hu Jintao, pediu no domingo aos responsáveis pelos trabalhos de prevenção que dediquem todos os seus esforços a garantir a segurança e a vida da população e evitar a propagação de epidemias.

O dramático aumento do leito obrigou os serviços de prevenção de inundações a provocar duas explosões nos diques do rio, para destruir um quilômetro e meio de muros e fazer com que parte da água escoe para o lago Tangduo.

Cerca de 100.000 pessoas trabalham na bacia para evitar a catástrofe e já tiveram de consertar 446 zonas danificadas nos diques ao longo do rio.

A China sofre todos os anos grandes inundações nas bacias de seus dois grandes rios, o Yangtse e o Amarelo. Nas piores enchentes da última década, em 1998, no Yangtse, morreram mais de 4.000 pessoas.