20 soldados japoneses são enviados para o Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de dezembro de 2003 as 09:15, por: cdb

O primeiro contingente de 20 militares da Força Aérea de Defesa japonesa para a reconstrução do Iraque partiu nesta sexta-feira, rumo a Kuwait e Catar, de um total de quase 600 soldados que o Japão enviará no próximo ano.

Os soldados estavam vestidos à paisana para a viagem, que será feita em um vôo de linhas aéreas comerciais européias.

Muitos parentes foram se despedir dos militares no aeroporto internacional de Tóquio-Narita, mas sua saída não teve cerimônia alguma, pois ela foi celebrada formalmente na base de Komaki há dois dias, com a presença do primeiro-ministro, Junichiro Koizumi.

Os militares terão sua base no Kuwait e prepararão o terreno para outros 150 militares da Força Aérea que devem ser enviados em janeiro.

A Força Aérea japonesa, que contará com dois aviões de transporte C-130, fará o transporte de provisões médicos e alimentos para as forças internacionais em cidades como Bagdá, Basra, Balad e Mossul.

– Entramos em uma nova fase. Os militares podem ir graças à lei especial sobre o Iraque – disse em uma entrevista coletiva o diretor-geral de Defesa, Shigeru Isiba, que é o responsável pelas operações do Iraque.

O primeiro-ministro afirmou em várias ocasiões que os militares japoneses não levarão armas nem munição para a força multinacional posicionada na região.

A ministra de Assuntos Exteriores, Yoriko Kawaguchi, ressaltou a responsabilidade assumida pelo Japão no Iraque para justificar o apoio à reconstrução do país, “como membro da comunidade internacional”.

– A instabilidade regional nos afetará diretamente, já que o Japão depende dos recursos do Oriente Médio para 90 por cento de sua energia – acrescentou Kawaguchi.

O Governo de Koizumi decidiu no mês passado enviar ao Iraque um contingente militar de quase 600 soldados para trabalhos de apoio à reconstrução do país, após ter dado desde o princípio seu respaldo aos ataques contra o regime de Saddam Hussein, apesar da forte oposição dos japoneses e dos impedimentos constitucionais.

Devido à instabilidade no país, o Governo não anunciou a data em que sairá o grosso das forças japonesas de Terra, Mar e Ar, que serão enviadas à região de Samaba, ao sul de Bagdá, mas acredita-se que será no fim do mês de fevereiro.

O governante japonês reiterou que os soldados japoneses não são enviados a áreas de combate e só poderão usar seu armamento se forem atacados.