19% dos jovens europeus abandonam prematuramente a escola

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de maio de 2003 as 00:43, por: cdb

Abaixar pelo menos para 10%, contra a média atual de 19%, a taxa de jovens europeus que abandonam prematuramente a escola, e elevar para 15% a porcentagem daqueles que querem se formar em matérias científicas, reduzindo assim o desequilíbrio existente entre mulheres e homens.

Estes são alguns dos objetivos a serem alcançados até 2010, estabelecidos pelos Quinze membros da União Européia, no Conselho de ministros da Educação realizado ontem, o primeiro ampliado para os 10 países que integrarão a UE em 1º de maio de 2004.

Entre os outros objetivos, cinco no total, citam-se a redução de pelo menos 20% do número de estudantes de 15 anos que não lêem corretamente, a garantia de que 85% dos jovens de 22 anos concluam os estudos secundários e, por fim, que a taxa média de participação na educação permanente passe dos atuais 8,4% para 12,5%.

Por ocasião do Conselho dos ministros, a comissária da UE da Educação, Viviane Reding, divulgou os dados de uma pesquisa de Eurobarômetro na qual verifica-se que, em média, mais de um terço dos cidadãos europeus não participam atualmente de nenhuma forma de instrução ou formação e que um sobre 10 não deseja faze-lo. Problemas de tempo e de dinheiro são os obstáculos principais.

Oito cidadãos em 10 consideram o aprendizado um instrumento necessário para toda a vida para melhorar econômica e socialmente. 58% dos entrevistados afirmaram saber usar o computador, mas a metade não sabe usar a Internet e 60% são incapazes de usarem idiomas estrangeiros, dado este que na Espanha, Irlanda e Reino Unido chega a 70%.

“Os resultados da pesquisa, comenta Reding, confirmam os objetivos políticos definidos pela estratégia de Lisboa e reforçam a importância do nosso trabalho para ampliar o mais possível a aprendizagem durante a vida toda”.