16 feridos em protesto na Venezuela

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 14 de junho de 2003 as 09:32, por: cdb

Pelo menos 16 pessoas ficaram feridas durante choques entre a polícia e manifestantes a favor do presidente Hugo Chávez, na Venezuela, informaram agências internacionais de notícias.

A polícia usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar mais de 100 manifestantes favoráveis ao presidente, que tentavam interromper um protesto contra o governo realizado no mesmo bairro, uma área pobre da capital, Caracas, nesta sexta-feira.

Os manifestantes responderam atirando pedras, garrafas e bombas caseiras contra os policiais, e destruindo um posto policial.

A oposição convocou o protesto no bairro de Petare – um reduto de Chávez – para mostrar que o apoio ao presidente está caindo entre as camadas mais pobres da população.

Um policial e três civis foram feridos a balas, que partiram de uma arma desconhecida, disse o chefe dos bombeiros na cidade, Rodolfo Briceno.

Pelo menos dez pessoas foram levemente feridas por objetos atirados contra a multidão.

Dois policiais ficaram feridos quando foram atropelados acidentalmente por um carro da polícia, disse o secretário de Saúde de Caracas, Pedro Aristimuno.

O protesto da oposição foi realizado, apesar de um apelo do ministro do Interior e Justiça, o general Lucas Rincon.

No mês passado, um protesto semelhante culminou em violentos choques que provocaram a morte de uma pessoa.

Pelo menos 50 pessoas já morreram nos protestos e choques na Venezuela desde abril passado, quando o presidente Chávez sobreviveu a um curto golpe.

Nos choques de sexta-feira, manifestantes a favor do presidente queimaram pneus e bloquearam ruas, para evitar a passeata da oposição.

A oposição, no entanto, não cancelou o protesto e só dispersou quando foram usadas bombas de gás lacrimogêneo.

– Estou aqui por causa de meus netos, porque quero uma democracia de verdade – disse à agência de notícias Associated Press Angelo Valles, que protestava contra o presidente.

Mas Rodolfo García, manifestante a favor de Chávez, disse que “enquanto a oposição procura problemas, Chávez tenta ajudar os pobres”.

Os líderes da oposição querem a renúncia de Hugo Chávez e esperam alcançá-la em um referendo aguardado para o dia 19 de agosto – metade do mandato presidencial, previsto para se encerrar no início de 2007.

O referendo tem que ser organizado por um novo Conselho Eleitoral Nacional, mas o Congresso não tem avançado e os congressistas favoráveis a Chávez não estão participando do processo.