“Zona de exclusão”, novo nome de invasão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de março de 2011 as 13:00, por: cdb

É, invasão e bombardeio, agora, mudaram de nome e chamam-se “zona de exclusão aérea”. Refiro-me, obviamente, àquela história de “zona de exclusão aérea” apovada 6ª feira pp. pelo Conselho de Segurança da ONU, pura balela, mera chancela da Organização para a invasão e bombardeio da Líbia, decididos já muitos dias antes.

Desde sábado, não há mais como esconder o óbvio: “zona e exclusão aérea” é eufemismo puro, o que as potências desenvolvidas querem – EUA à frente – é bombardear a Líbia. O presidente Muamar Kaddhafi anunciou na 6ª feira mesmo haver adotado o cessar-fogo e até pediu uma comissão internacional para fiscalizar a medida.

O que vimos? EUA e potências não quiseram nem saber. Despejaram bombas e mísseis na Líbia – 110 mísseis só no sábado, nas primeiras horas do ataque desfechado por EUA, França, Inglaterra, Itália e Canadá. Ontem (domingo), Kaddhafi garantiu que adotava novo cessar fogo. Que nada, sem inspeção externa ou destes próprios aliados, eles continuam despejando bombas por mar e ar na Líbia.

Obama interrompe reunião com Dilma para ordenar bombardeio

Aliás, o presidente dos EUA, Barack Obama autorizou o início dos bombardeios – decididos há muito tempo, independente do que Kaddhafi fizesse – exatamente no momento em que tinha a única audiência reservada de uma hora com a presidenta Dilma Rousseff e recebeu um bilhete de sua assessoria.

A secretária de Estado, Hillary Clinton, em Paris, ao lado de governantes da França, Inglaterra, Itália e Canadá animava o circo. Obama pediu um minuto à presidenta brasileira e na volta disse que autorizara o bombardeio da Líbia.

O resultado é trágico: a morte de civis. A ponto de a Liga Árabe – integrante da coalizão de países aliados protestar. Algo mais ou menos na linha “êpa, a morte de civis não estava no combinado…”

Direitos humanos no Bahrein, Iêmen e Síria, como ficam?

Vale lembrar que o Bahrein continua invadido; o Iêmen rebelado e reprimido; e na Síria, 10 mil manifestantes protestaram no sepultamento dos 5 rebeldes mortos num protesto da semana passada, numa cidade a 100 km de Damasco.

Assim, e a propósito: o Conselho de Segurança, EUA e aliados vão aprovar “zona de exclusão aérea” para proteger os direitos humanos da oposição e da população civil no Bahrein, no Iêmen e na Síria?