Zinho deve entrar na justiça contra o Grêmio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de março de 2003 as 14:03, por: cdb

O meia-esquerda Zinho, que defendeu o Grêmio até o começo do ano de 2002, deverá ingressar na Justiça em busca do dinheiro que o clube lhe deve pela rescisão de contrato, além de prêmios e direito de imagens que estavam atrasados à época do rompimento. Até o momento, declarou ele em entrevista à Rádio Band de Porto Alegre, nenhum centavo do prometido foi pago.

“É uma decepção muito grande a forma como o clube está me tratando. Na verdade são duas decepções, a primeira por ter saído e a segunda por ter sido enganado”, afirmou o jogador, que acrescentou não ter, ainda, dado início ao processo judicial porque estava acreditando nas promessas dos advogados do Grêmio.

Em dezembro, o então vice-presidente jurídico do Tricolor, Homero Bellini Júnior havia afirmado que a quantia devida seria paga antes do final do ano. Na véspera da data anunciada, entretanto, o advogado telefonou para Zinho e, constrangido, teria afirmado que o clube não poderia pagar.

“Depois disso mudou a diretoria e, agora, minha advogada tenta falar com os representantes do Grêmio, deixa recados, mas eles nem respondem”, reclama o jogador, que durante várias temporadas foi líder e até capitão da equipe gremista.

Zinho disse que, pela ótima relação que tinha anteriormente com o clube gaúcho, decidiu abrir mão do valor da multa que estava estipulada em contrato, exigindo apenas os 50% do total que deveria receber de salários até o final do ano. Apesar de a proposta ser altamente favorável ao Grêmio, mesmo assim o contrato de rescisão assinado não foi cumprido.

“Para que vocês tenham uma idéia: se eu tivesse rompido o contrato, deveria ter pago R$ 24 milhões ao clube. Por aí dá para ter uma idéia do quanto o clube lucrou no momento em que abri mão da multa por rompimento feito por iniciativa deles”, lembrou o meia.

Zinho, que após deixar o Grêmio foi para o Palmeiras, disse que além de ter passado momentos muito ruins no clube paulista – rebaixado à segunda divisão do Brasileirão -, ainda teve de agüentar a traição do Tricolor, fatores que, somados, fizeram de 2002 um péssimo ano. Mas a paciência agora está se esgotando e ele deve mesmo ingressar na Justiça nos próximos dias em busca do que lhe é devido.