Zeca Dirceu explica vantagens do voto em lista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de março de 2011 as 11:05, por: cdb

Zeca Dirceu A instituição na reforma política (vejam post acima) do voto em lista, da fidelidade partidária, do fim das coligações proporcionais – aprovado ontem pela comissão do Senado para as mudanças – e do financiamento público de campanhas eleitorais,  também, são bandeiras do deputado Zeca Dirceu (PT-PR), defendidas em seu pronunciamento na tribuna da Câmara.

Zeca reiterou que o financiamento público é fundamental para evitarmos que o poder econômico se sobreponha à vontade do eleitor. “Este modelo (vigente) de poder do sistema financeiro é ultrapassado, sim. Ele não deve decidir o voto do eleitor e quem vai representar a população brasileira no Congresso”.

Além disto, ele destacou a importância do voto em lista preordenada e explicou que esta forma de sufrágio garante sim ao eleitor a escolha do seu candidato. “Na lista preordenada constam, sim, os nomes de cada um dos candidatos. É uma ingenuidade imaginar que o eleitor iria votar sem levar em consideração quem é o 1º, o 2º, o 3º, o 4º ou o 5º nome ordenado da lista”.

Sistema atual obriga partidos a buscar puxadores de voto

O parlamentar paranaense  ponderou, ainda, que com a adoção da lista preordenada “os partidos terão de aprimorar os seus meios democráticos de escolha dos seus candidatos”. Em seu blog, aliás, vocês encontrarão uma excelente explicação sobre o voto em lista.

Zeca mostra que este sistema, além de simplificar e diminuir os custos da eleição, reduz a força do financiamento privado nas eleições e se apresenta como “a única forma de garantir o financiamento público das campanhas eleitorais.”

O atual modelo de lista aberta (voto proporcional uninominal), acentua Zeca Dirceu, “foi implantado em 1945, personalizou a política brasileira e obrigou a maioria dos partidos a correr atrás de puxadores de votos sem qualquer tipo de compromisso com o eleitor e a sua vontade”.