VW avisa que o Brasil ‘tem uma fábrica a mais’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de maio de 2006 as 12:11, por: cdb

O volume de vendas da principal marca da Volkswagen cresceu em 14,5% entre janeiro e abril, mas novas greves em Pamplona, na Espanha, podem forçar Wolfgang Bernhard, o diretor da marca VW, a tomar medidas drásticas quanto à fábrica espanhola do grupo. No Brasil, o executivo também planeja cortes profundos na estrutura da companhia e já avisou que o país “tem uma fábrica a mais”.

– Não estamos discutindo o fechamento, no momento – disse ele a repórteres na noite de segunda-feira, mas acrescentou que a situação está se tornando “cada vez mais difícil”.

Falando durante a apresentação do novo conversível da companhia, Eos, em Atenas, Bernhard afirmou igualmente que 1,2 mil funcionários da fábrica alemã da VW em Wolfsburg podem perder seus empregos quando a produção do novo Golf for transferida para o exterior. A divulgação das declarações do executivo foi mantida sob embargo até a manhã desta terça-feira.

Bernhard planeja decidir nos próximos dias se parte da produção do subcompacto Polo será transferida de Pamplona para a fábrica de Bruxelas, onde a empresa monta o Golf. A ameaça velada coloca as duas fábricas em competição, porque a fábrica belga da Volkswagen vem sendo subutilizada e já foi alvo de repetidas especulações quanto a um possível fechamento.

A Volkswagen anteriormente havia informado ao sindicato de seus trabalhadores em Pamplona que a produção do Polo seria transferida à fábrica de Bratislava (Eslováquia). As fábricas da VW na Europa Oriental têm alto índice de utilização, e suas forças de trabalho são menos propensas a barganhar por garantias de emprego. Bernhard reafirmou igualmente seu compromisso para com a reestruturação das seis fábricas da VW no oeste da Alemanha.

Confirmando que o fechamento de parte de suas operações de autopeças na Alemanha é possível, o executivo disse que um compromisso sobre medidas de restruturação deve ser atingido até o final do ano, em negociações com o conselho de trabalhadores da montadora.

– Precisamos de mudanças abrangentes. Na forma atual, não seremos capazes de sobreviver – declarou.

Tão logo a montagem do antigo Golf IV seja suspensa na fábrica principal da VW, em Wolfsburg, cerca de 1,2 mil operários perderão o emprego, já que a nova versão do carro será produzida na fábrica de Puebla, no México, informou o executivo. Em 3 de maio, o presidente da Volkswagen no Brasil, Hans-Christian Maergner, admitiu a necessidade de cortes de milhares de empregos da empresa no país.

– A Volks do Brasil tem uma fábrica a mais – afirmou o executivo na ocasião, citando como fatores a fraqueza do dólar ante o real.