Vitória nas urnas consagra sandinistas na Nicarágua

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 7 de novembro de 2006 as 13:50, por: cdb

O ex-guerrilheiro marxista nicaraguense Daniel Ortega está virtualmente eleito para voltar ao poder, segundo resultados eleitorais divulgados nesta terça-feira. A apuração dos votos de domingo deve ser concluída ainda nesta quarta-feira. Com mais de 60% das urnas apuradas, Ortega tem 38,6% dos votos, quase oito pontos à frente do seu adversário conservador e pró-americano Eduardo Montealegre.

Ortega comandou a revolução sandinista em 1979 e governou até 1990, a maior parte do tempo envolvido numa guerra civil contra a guerrilha Contra, financiada pelos EUA. Pela lei, ele precisa obter mais de 35% dos votos, com cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado, para evitar um perigoso segundo turno. Sua vitória eleitoral é um revés para os EUA e um presente para o governo venezuelano de Hugo Chávez, que tenta formar uma aliança antiamericana na América Latina.

Ortega, 60, abandonou o marxismo e agora fala principalmente em Deus, paz e reconciliação. Ele evitou proclamar sua vitória na noite de segunda-feira, mas disse que, seja qual for o resultado, ele está disposto a trabalhar com outros partidos para “erradicar a pobreza e tranquilizar o setor privado e os investidores internacionais”. Ele promete colaborar com o empresariado e apoiou um tratado comercial com os EUA, mas as autoridades norte-americanas não confiam nele e vêem com preocupação seu apoio a Chávez.

O líder venezuelano ajudou na campanha de Ortega mandando fertilizantes e combustíveis baratos a grupos ligados aos sandinistas. Muitos esperam que Chávez despeje na Nicarágua alguns de seus petrodólares para financiar programas sociais.

– A cooperação da Venezuela é a melhor. Com ajuda, o povo nicaraguense pode ir adiante – disse o jovem sandinista Carlos Espinoza numa celebração na capital, Manágua.

O vice-presidente de Cuba, Carlos Lage, disse que a vitória de Ortega é “uma derrota retumbante” para os EUA. Mas Ortega sabe bem o custo de um confronto com Washington. Cerca de 30 mil pessoas morreram na guerra civil dos Contra, e o embargo econômico norte-americano daquela época provocou o caos, prejudicando os ambiciosos programas sandinistas de saúde e educação.

Junto com erros administrativos e a repressão aos dissidentes, a pressão norte-americana finalmente tirou Ortega do poder, quando ele convocou eleições presidenciais, em 1990. Desde então, o país elegeu três presidentes apoiados por Washington.

As autoridades norte-americanas recentemente alertaram para uma redução nos investimentos e na ajuda à Nicarágua caso Ortega voltasse ao poder nesta sua terceira tentativa eleitoral.

O eleitorado aparentemente ignorou o alerta, embora Ortega também tenha sido ajudado por divisões à direita, que em eleições anteriores se unia para evitar a volta dele.