Visita de Lula causa expectativa no interior da Paraíba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de outubro de 2003 as 15:49, por: cdb

Esta quinta-feira será um dia especial para uma comunidade na Paraíba. Agricultores que moram em Manguape, 8 km de Campina Grande, e que sobrevivem do campo, aguardam com ansiedade a chegada do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. A primeira reação, foi de desconfiança, mas depois de muita expectativa. A dona-de-casa, conhecida como D.Antônia, foi a escolhida para receber o visitante tão ilustre. “Estou muito ansiosa, todos estamos. Não é todo dia que a gente recebe uma pessoa tão importante em nossa comunidade. É com muito orgulho que recebemos ele e toda sua comitiva aqui e principalmente na minha casa, diante de minhas condições”, afirmou.

 Manguape é uma zona rural onde moram sessenta e duas família, pessoas simples adaptadas ao que o lugar oferece. Os moradores contam com uma escola, uma capela e um posto de saúde. Esse é o cenário por onde irá passar amanhã o presidente, para inaugurar na comunidade 18 cisternas de placa construídas nos quintais, através do programa de Formação e Mobilização Social para Convivência com o Semi-Árido.

Para os agricultores, que nessa época cultivam plantas resistentes à seca, a ajuda chegou em boa hora. O riacho está secando e só serve para o banho e para os animais. A água tratada, do açude de Boqueirão, chega no carro-pipa da prefeitura de Montada e vai direto para as cisternas, com capacidade de armazenar até 16 mil litros, suficientes para quatro meses.”A meta do Governo é construir cisternas para todas as famílias que aqui moram”, diz Joaquim Pedro, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Montada.

Quando chegar à comunidade, o presidente vai encontrar moradores acolhedores e agradecidos com a ajuda que garante água boa para beber e cozinhar. Uma visita que muda a rotina da pequena comunidade, mas não a realidade da necessidade. “Não vou modificar nada. Vou me mostrar do jeito que sou e oferecer com muita honra, ao presidente um chá, um cafezinho, e ainda tirar uma foto com ele, para guardar de recordação e deixar ela enfeitando a minha estante”, diz Dona Antônia.