Vilma diz que “já foi condenada pela mídia e pelo povo”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 26 de novembro de 2002 as 23:49, por: cdb

Em sua primeira entrevista depois de 11 dias de silêncio, a mãe de criação de Osvaldo Martins Borges Jr. [chamado de Pedrinho pelos pais biológicos], Vilma Martins Costa, 47, disse que Roberta Jamilly Borges é sua filha legítima. Ela se recusou a dizer quem é o pai da moça. A polícia suspeita que Roberta tenha sido sequestrada de uma maternidade de Goiânia em 1979.

A entrevista foi concedida através da janela da sala da casa de Vilma. Nervosa, ela reclamou várias vezes do assédio da imprensa, que cerca o local há três semanas.

“Eu não fui condenada, quem me condenou até agora foram a mídia e o povo”, disse Vilma, processada por sequestro qualificado e falsificação de registro de nascimento de Pedrinho.

Nesta manhã, Vilma levou o filho de carro até a escola. “Ninguém está pensando no Júnior [Pedrinho], ninguém está pensando na Roberta. Por favor, [jornalistas] façam o seu trabalho, mas de longe, dêem condições para a minha família viver em paz. Está muito difícil.” desabafou.

Ela afirmou que não dará mais entrevistas. Por determinação judicial, ela deverá ser ouvida dentro de 30 dias. A data do depoimento, que será em Goiânia, ainda não foi marcada.

DNA

O delegado Antônio Gonçalves dos Santos, encarregado das investigações sobre Roberta, teve hoje o primeiro encontro com a dona-de-casa Francisca Ribeiro da Silva, 63, que teve sua filha Aparecida Fernanda levada de uma maternidade de Goiânia em 1979. A polícia suspeita que Roberta seja a criança sequestrada há 23 anos.

O delegado e Francisca tiveram apenas uma conversa informal _o inquérito só deve ser reaberto amanhã. Na saída, Francisca disse que pediu que o delegado apresse as investigações e se colocou à disposição para fazer o exame de DNA.

“Eu só vim fazê-lo apressar o caso porque eu não aguento mais isso. Eu só acredito no DNA, aí vamos ver quem é [a mãe]. Vai ser um sossego, na minha cabeça e no meu coração”, disse Francisca, que também reclamou do assédio da imprensa.

Em declarações nos últimos dias, Roberta tem sido contraditória sobre a realização do exame. O novo advogado da família, Max Leão, 27, contratado hoje, disse que ainda não conversou com a jovem sobre o assunto. Caso ela se recuse, o exame dependerá de decisão judicial.

O delegado Santos disse que não sabe ainda quando pedirá os exames de Roberta e de Francisca. Antes ele quer colher os depoimentos e analisar as evidências, como um retrato falado da suposta sequestradora de Aparecida Fernanda, encontrado ontem.