Venezuela reabre após dois meses de greve

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 3 de fevereiro de 2003 as 14:53, por: cdb

Os bancos da Venezuela voltaram a abrir as portas, marcando o fim de sua participação na greve contra o governo, que já dura 63 dias.

O Presidente Hugo Chavez comemorou a vitória sobre os grupos trabalhistas de direita, no domingo, após estes anunciarem que voltariam ao trabalho para proteger seus negócios da falência.

Fábricas, shopping centers, restaurantes, escolas e universidades voltaram a funcionar.

“Eles tem o ‘F’ de fracasso em suas testas”, disse Chavez no quarto aniversário de seu governo. “Derrotamos de uma vez por todas essa tentativa criminosa de afundar a Venezuela”.

O presidente jurou que os líderes da greve – os quais acusou de tentarem realizar um “golpe político” – serão punidos.

“Eles não podem permanecer impunes. Eles devem ir para a prisão”.

A oposição insiste que a ação não representa o fim dos esforços no combate a Chavez, mas marca “uma nova fase” na sua campanha contra o presidente. Apesar da reabertura dos bancos, a greve nos oleodutos continuará.

“A luta ainda não acabou”, declarou Julio Borges, do partido de oposição Primero Justicia (PJ). De acordo com o líder oposicionista Albis Munoz, mais de quatro milhões de pessoas assinaram uma petição, exigindo uma antecipação das eleições presidenciais.

A Venezuela é o quinto maior exportador de petróleo do mundo. O petróleo é responsável por um terço da economia nacional. O prejuízo da greve é estimado em quatro bilhões de dólares.