Vendas no varejo sobem no início do terceiro trimestre

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de dezembro de 2005 as 12:01, por: cdb

As vendas do comércio varejista brasileiro perceberam uma leve alta em outubro, após cair em setembro, mas a taxa de crescimento, em comparação com igual período de 2004, teve uma desaceleração significante, em meio à menor tomada de crédito e ao pequeno aumento da renda, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta-feira. As vendas aumentaram 0,06% em relação a setembro.

“O resultado do volume de vendas na série com ajuste sazonal representa estabilidade no comércio varejista em relação ao mês anterior”, disse o IBGE em comunicado. As vendas cresceram 3,74% sobre outubro de 2004. Em setembro, a alta na comparação anual havia sido de 5,35% e em agosto, de 6,1%. Entre os quatro setores pesquisados na comparação mensal, apenas as vendas de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo tiveram variação positiva, de 0,38% sobre setembro.

As vendas de Tecidos, vestuário e calçados caíram 3,21%; as de Móveis e eletrodomésticos, 0,44%; as de Veículos, motos, partes e peças, 2,33% e as de Combustíveis e lubrificantes, 2,01%. Contra outubro de 2004, sete das oito atividades pesquisadas registraram alta de vendas, com destaque para Móveis e eletrodomésticos (11,94%); Tecidos, vestuário e calçados (9,18%) e Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,43%).

Segundo o IBGE, o setor de Hipermercados “ao mesmo tempo que manteve a sequência de seis taxas mensais positivas, indica uma quebra de ritmo de crescimento da atividade frente a setembro”. “Esta desaceleração está em consonância com o comportamento anualizado do rendimento médio real do trabalho, cujas taxas vêm decrescendo nos últimos meses”, acrescentou o IBGE. Sobre o setor de Móveis e eletrodomésticos, o instituto afirmou que “mesmo com desempenho acima da média, o setor segue apresentando desaceleração no ritmo de crescimento”. O setor vinha sendo estimulado pelo crédito ao consumidor, que ultimamente vem diminuindo.

A única atividade que registrou queda na comparação com outubro de 2004 foi a de Combustíveis e lubrificantes, que registrou um recuo nas vendas de 9,08% no período. Entre as 27 unidades da Federação, 24 tiveram resultados positivos na comparação com outubro de 2004. As vendas do comércio acumulam no ano alta de 4,82%. Nos últimos 12 meses, o avanço é de 5,65%. O IBGE informou ainda que a receita nominal do comércio aumentou 7,8% na comparação com outubro de 2004.

As vendas do comércio varejista ampliado –que inclui ainda Veículos, motos, partes e peças e Material de construção, tiveram alta de 1,66 % em outubro ante o mesmo período do ano passado.