Vendas no comércio declinam e interrompem série de altas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de abril de 2006 as 13:42, por: cdb

As vendas do comércio varejista brasileiro declinaram 4,13% em fevereiro sobre janeiro e subiram 5,35% ante igual mês de 2005, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira. A receita nominal do comércio recuou 1,95% na comparação com janeiro e aumentou 7,87% frente ao mesmo período do ano passado.

“As quedas nas vendas e na receita interrompem quatro meses de altas consecutivas”, apontou o IBGE em comunicado. Os dados na comparação com o mês imediatamente anterior são ajustados sazonalmente. Uma economista do Unibanco avaliou que, apesar de o resultado ter ficado abaixo do esperado, não deve mudar a postura do Comitê de Política Monetária (Copom). A expectativa é de corte da Selic em 0,75 ponto percentual, para 15,75%.

– O resultado veio pior do que o esperado, mas a demanda continua forte e a queda das vendas em fevereiro pode ter mais a ver com uma pausa, após os resultados fortes do final do ano – disse ela.

Na comparação mês a mês, houve queda das vendas nas quatro atividades que integram a série ajustada: Tecidos, vestuário e calçados (-3,14%), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,44%), Combustíveis e lubrificantes (-1,92%) e Móveis e eletrodomésticos (-0,04%).

– Chama atenção a volatilidade da venda de bens não-duráveis. Mas em janeiro esse segmento mostrou forte avanço. Persiste, portanto, a tendência de alta. Em março e abril deve ser vista uma recuperação, no embalo do aumento da massa real de salários – afirmou outro economista, de uma corretora de valores.

Em relação a 2005, as vendas tiveram aumento em seis das oito atividades do varejo, com destaque para Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com alta de 7,27%, a maior desde abril do ano passado. A alta é, segundo o IBGE, “justificada, provavelmente, pela redução dos preços de alimentos nos últimos meses, bem como pela melhora nos níveis de ocupação e rendimento médio real”.

No ano, as vendas do comércio acumulam alta de 5,96%. O IBGE acrescentou que as vendas do comércio varejista ampliado, composto do varejo mais as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, subiram 3,16% sobre feveireiro de 2005.