Vendas mundiais de música voltam a cair em 2004

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de janeiro de 2005 as 22:27, por: cdb

As vendas mundiais de música voltaram a cair em 2004, mas, após quatro anos de queda, a receita das gravadoras deve voltar a crescer em 2005, graças às lojas online e aos DVDs de música, constatou uma pesquisa divulgada nesta segunda.

Atingidas pela pirataria, as trocas de música na Internet e a saturação dos mercados, as vendas de música tiveram uma queda de 1% em 2004, ficando em US$ 32,1 bilhões. Mas essa diferença será nivelada em 2005 com um aumento de 1%, de acordo com o grupo de pesquisas Informa.

Nos próximos seis anos, a indústria de discos vai retornar ao nível de vendas de US$ 39 bilhões verificado entre 1997 e 2000, antes do surgimento dos aparelhos baratos de reprodução de CDs e dos serviços de troca de arquivos musicais, como Napster e KaZaa.

Em muitos países já foram abertas lojas de música legais na Internet, como a iTunes, da Apple, e a Connect, da Sony. Os serviços se conectam facilmente com aparelhos de reprodução musical portáteis como o iPod, que vêm ganhando popularidade.

A música online ainda não decolou em termos de dinheiro, tendo contribuído apenas 0,9% para a receita musical total do ano passado, mas já transformou a imagem do setor, segundo o analista do Informa Simon Dyson.

O Informa estima que, até o ano 2010, as vendas de música online chegarão a 8,8% das vendas.

A repressão legal à troca ilegal de canções e a popularidade crescente dos vídeos musicais também vêm tendo grande impacto.

No ano passado, as vendas de vídeos musicais – DVDs contendo concertos ou videoclipes – subiram estimados 26,3%, para US$ 2,7 bilhões. Mas não foi suficiente para impedir a queda geral, já que as vendas de apenas áudio caíram 2,9% no ano, para US$ 29,4 bilhões.

Este ano as vendas de vídeos musicais devem subir novamente, agora em 17,6%, contra um pano de fundo de estabilidade nas vendas de apenas áudio.

“Hoje os vídeos musicais representam um novo catalisador de crescimento, como foi o CD na época de seu surgimento”, comentou Dyson, lembrando que a introdução do CD acabou fazendo a indústria de discos triplicar suas vendas no início dos anos 1980.

Boa parte do crescimento nas vendas de música vai se dar em mercados pouco desenvolvidos, como China e Rússia, previstos para tornar-se respectivamente o quinto e sexto maiores mercados de CDs até 2010.

Nos EUA, as vendas de álbuns subiram quase 2 por cento em 2004, após queda de três anos, de acordo com uma pesquisa da Nielsen SoundScan divulgadas no início deste mês.