Vasco vence primeira batalha contra o Flu e aumenta vantagem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de março de 2003 as 23:55, por: cdb

Foi um duelo digo de uma final de campeonato. No primeiro de dois jogos da final do Carioca, na noite desta quarta-feira, o Vasco foi mais competente e saiu com vitória por 2 x 1. Os gols foram marcados por Marcelinho e Souza, com Alex Oliveira descontando. Como já tinha vantagem de dois empates, agora o time cruzmaltino pode até perder por um gol de diferença para se sagrar campeão no domingo.

Foi um início de jogo eletrizante. Nem a chuva conteve o ímpeto de ambos os times. Com menos de um minuto, o Fluminense já chegava com perigo: Alex Oliveira passou por dois marcadores e lançou Ademílson na área, mas a zaga cruzmaltina abafou o chute do atacante tricolor. A resposta do Vasco veio nos dribles de Marcelinho que fizeram a torcida delirar. Na seqüência da jogada, no entanto, os lançamentos para Souza não foram precisos.

A partida seguia muito disputada e com jogadas velozes pelas pontas. Aos 11 min, numa das poucas tentativas do Vasco pelo meio, Marques foi derrubado por Marcão na intermediária. Os jogadores do Tricolor se desesperaram com a marcação, já que passaram a semana inteira sendo orientados pelo técnico Renato Gaúcho para evitarem faltas próximas à área. Pudera, do outro lado estava Marcelinho, que cobrou à meia altura, no canto esquerdo, para Kléber espalmar a córner.

Quatro minutos depois, o Pé de Anjo tirou Marciel da jogada com um drible de letra, avançou e chutou da entrada da área, por cima do gol – o volante do Fluminense fazia marcação especial no craque vascaíno, mas sem sucesso. Mais compacto, o Vasco tomou conta do jogo. Aos 26 min, veio o segundo round do duelo Marcelinho x Kléber: o meia cobrou falta sofrida por Léo Lima, mas desta vez o goleiro tricolor apenas olhou a bola passar à direita do gol.

Poucos minutos depois, Marcelinho teve a terceira oportunidade de marcar na sua especialidade, mas brilhou de novo a estrela de Kléber, que espalmou a córner. Se de falta estava difícil, o Pé de Anjo tentou no escanteio. E deu certo. A bola veio fechada na pequena área, Jadílson atrapalhou Kléber e cabeceou para o fundo do gol. Como a bola bateu na parte mais esticada da rede e voltou para a área, o árbitro Edílson Soares da Silva ainda relutou em apontar a marca de cal no meio-campo, mas validou o gol após consultar o auxiliar Manoel do Couto Pires.

Nos minutos finais, o Fluminense subiu um pouco de produção e ameaçou num chute de Zada, após cruzamento da esquerda. Fábio espalmou sem maiores complicações. A esperada entrada de Carlos Alberto no segundo tempo teve de ser antecipada para o final da primeira etapa, já que Djair sentiu uma fisgada na coxa esquerda.

Atrás no placar, o Fluminense voltou melhor. O primeiro susto para os vascaínos aconteceu aos 7 min: Fábio Bala tocou para Ademílson, na entrada da área, girar e chutar forte, à esquerda de Fábio. Quatro minutos depois, o goleiro vascaíno contou com a sorte novamente. Zada cruzou da direita e Marcão subiu para cabecear com estilo, à esquerda de Fábio, que só pôde torcer para a bola não entrar.

Na primeira vez que chegou com perigo no gol tricolor, o Vasco ampliou o placar. Marcelinho tocou para Russo, nas costas de Jadílson, cruzar para Souza se antecipar a César e, de carrinho, marcar o segundo. Imediatamente, o técnico Antônio Lopes tirou Léo Lima e colocou Rodrigo Souto, passando a atuar com três volantes. A partir daí o Vasco caiu vertiginosamente de produção.

A pressão do Fluminense continuou a mesma, mas Fábio salvou o Vasco em um chute de Alex Oliveira e numa saída do gol nos pés de Fábio Bala, que se preparava para o chute dentro da área. Aos 20 min, veio a recompensa pela insistência: Alex Oliveira cobrou falta da esquerda e o goleiro vascaíno, que até então tinha atuação perfeita, ficou esperando o cruzamento e a bola o encobriu, entrando no ângulo direito.

O terceiro gol quase saiu aos 23 min e, novamente por uma jogada iniciada nos pés de Marcelinho. O Pé de Anjo cruzou para a área, de trivela, e Marques cabeceo