Valério desmente relatório de Serraglio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de dezembro de 2005 as 21:45, por: cdb

O empresário Marcos Valério Fernandes de Souza refutou o relatório parcial da CPI dos Correios apresentado nesta quarta-feira e reiterou que os recursos repassados ao PT vieram de empréstimos bancários e não de operações com empresas públicas e privadas. Os empréstimos, no valor original de R$ 55 milhões, foram contraídos pelas empresas de Valério junto aos bancos Rural e BMG no período de fevereiro de 2003 a outubro de 2004, reiterou o empresário.

“Esses empréstimos bancários, feitos a pedido do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, Delúbio Soares, são a única fonte dos recursos financeiros repassados ao PT e aos representantes de partidos aliados, seguindo orientações do ex-tesoureiro”, afirma Valério em nota enviada por sua assessoria de imprensa.

Ele lembra que, na terça-feira, recorreu à Justiça para cobrar esses empréstimos do PT, cujo valor alcança agora R$ 100 milhões.

Segundo Valério, os empréstimos estão registrados em documentos e foram confirmados por Delúbio. O relator da CPI, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), acusou Valério, no relatório parcial divulgado nesta quarta, de movimentar R$ 2,6 bilhões entre 1997 e 2005 e apontou empresas públicas, como Banco do Brasil e Correios, e privadas, como as telefônicas Brasil Telecom e Telemig, como depositantes em suas contas.

Serraglio também apontou notas falsas na contabilidade das agências de Valério, SMPB e DNA, acusação contestada pelo empresário.

“As notas são de conteúdo verdadeiro, sendo o fato econômico real: prestação de serviços de publicidade e propaganda pelas empresas; sua aceitação pelos clientes públicos e privados; o pagamento pelos clientes”, diz a nota.