Vacinação contra a gripe vai incluir doentes crônicos a partir de 2013

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de outubro de 2012 as 15:34, por: cdb

Aline Leal
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A partir da campanha de vacinação de 2013 contra a gripe, o Ministério da Saúde passa a incluir entre o público-alvo as pessoas que têm algumas doenças crônicas não transmissíveis e outras condições que possam favorecer o surgimento de casos graves. O ministério divulgou hoje (25) uma lista determinando em quais casos a vacina é recomendada (ver tabela abaixo). As mães até quatro semanas após o parto também terão a vacinação recomendada.

Em 2012, a recomendação durante a campanha foi para que as pessoas nessas condições se dirigissem aos 48 centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (Cries) existentes no Brasil. Agora, esse grupo vai poder tomar a vacina em qualquer uma das 35 mil salas de vacina do Sistema Único de Saúde (SUS), bastando apresentar um atestado médico. Cerca de 6 milhões de pessoas devem se beneficiar com a descentralização.

O objetivo da campanha de vacinação contra a gripe é proteger os grupos mais vulneráveis, reduzindo os casos graves e óbitos. Seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil elegeu como grupos prioritários os idosos, as crianças menores de dois anos, as gestantes, os profissionais de saúde, os indígenas, as pessoas privadas de liberdade e, a partir de agora, as mães até quatro semanas após o parto e os portadores de doenças crônicas.

A existência de doenças crônicas ou de algumas condições prévias são fatores de risco quando associadas com a infecção pelo vírus da gripe, situação chamada de comorbidade.

A gripe é diferente do resfriado e de outros quadros respiratórios mais leves. A característica principal da gripe é o aparecimento de febre com temperatura maior que 38 graus Celsius (ºC), sintomas respiratórios (tosse, dor na garganta e outros) e sintomas gerais, como cefaleia, fadiga e dores no corpo.

A grande maioria dos casos de gripe é leve e cura-se espontaneamente. Entretanto, em algumas situações, particularmente nos grupos mais vulneráveis, ela pode evoluir para casos graves, necessitando atenção médica imediata. Uma boa maneira de aumentar a proteção contra a gripe é a adoção de medidas de higiene pessoal, como lavar as mãos várias vezes ao dia e proteger a tosse e o espirro com lenço descartável ou na dobra do cotovelo.

 

Lista do Ministério da Saúde com a discriminação das situações de recomendação da vacina

Categoria de risco clínico

Definição

1- Doença respiratória crônica

Asma em uso de corticoides inalatório ou sistêmico (moderada ou grave)

DPOC

Bronquioectasia

Fibrose cística

Doenças Intersticiais do pulmão

Displasia broncopulmonar

Hipertensão arterial pulmonar.

Crianças com doença pulmonar crônica da prematuridade

2- Doença cardíaca crônica

Doença cardíaca congênita

Hipertensão arterial sistêmica com comorbidade

Doença cardíaca isquêmica

Insuficiência cardíaca

3- Doença renal crônica

Doença renal nos estágios 3, 4 e 5

Síndrome nefrótica

Paciente em diálise

4- Doença hepática crônica

Atresia biliar

Hepatites crônicas

Cirrose

5- Doença neurológica crônica

Condições em que a função respiratória pode estar comprometida pela doença neurológica

Considerar as necessidades clínicas individuais dos pacientes incluindo: AVC, paralisia cerebral, esclerose múltipla e condições similares; doenças hereditárias e degenerativas do sistema nervoso ou muscular; deficiência neurológica grave

6- Diabetes

Diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2 em uso de medicamentos

Observação: ainda será revisto para melhor especificação do grupo a ser atendido na campanha

7- Imunossupressão

Imunodeficiência congênita ou adquirida

Imunossupressão por doenças ou medicamentos

8- Obesos

Obesidade grau 3

9- Transplantados

Órgãos sólidos

Medula óssea

10- Síndrome de Down

 

Edição: Davi Oliveira