United Airlines pede concordata, a maior na história da aviação civil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 9 de dezembro de 2002 as 23:29, por: cdb

Às voltas com uma dívida de quase um bilhão de dólares, a United Airlines solicitou concordata nesta segunda-feira, em um tribunal de falências de Chicago, nos Estados Unidos, no maior pedido de proteção contra credores já ocorrido na história da aviação civil.

O pedido de concordata é, também, um dos maiores na história dos Estados Unidos.

Nos últimos dois anos, a companhia aérea, com sede em Chicago, registrou perdas de quatro bilhões de dólares devido à desaceleração da economia global, a erros de estratégia empresarial e aos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 contra o World Trade Center e o Pentágono.

A empresa prometeu manter seus vôos em operação e reduzir seus custos, sob a proteção da Justiça, além de preparar um grande plano de reestruturação na tentativa de voltar a ter lucros.

A United Airlines opera cerca de 1.700 vôos por dia, ou quase 20 por cento de todos os vôos nos Estados Unidos.

A empresa tem, ainda, a mais extensa estrutura mundial de aviação civil, com rotas cobrindo todo o planeta.

A decisão de pedir falência foi tomada pela junta de diretores da companhia na noite de domingo.

Embora a concordata não deva ter efeito imediato sobre os passageiros, a proteção contra os credores virá a um preço duro para os 83 mil funcionários da empresa, que controlam 55 por cento de suas ações.

As primeiras informações, nos Estados Unidos, são de que a Justiça quase certamente exigirá reduções de salários e de empregos.

O pedido de concordata seguiu-se a um fim de semana de intensas conversações e a uma advertência, de líderes sindicais, dando conta de que o processo era “inevitável e iminente”.

A decisão da empresa passou a ser também amplamente esperada depois da rejeição, na quarta-feira passada, de um pedido da United de empréstimos com garantias federais no total de 1,8 bilhão de dólares.