União Europeia amplia sanções à Líbia e restrições a Mubarak e à Bielorrússia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de março de 2011 as 10:41, por: cdb

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Os 27 ministros das Relações Exteriores que integram a União Europeia (UE) aprovaram hoje (21) a ampliação das sanções à Líbia. As medidas estendem o congelamento de bens de 19 funcionários e ex-autoridades do governo e a proibição de viagens a mais 11 pessoas e nove entidades do país, incluindo o Banco Central da Líbia e a companhia estatal de petróleo do país. A partir de amanhã (22), as medidas serão colocadas em prática.

As informações são da agência estatal de notícias de Portugal, a Lusa. A decisão da União Europeia ocorre exatamente no momento em que as forças de coalizão – lideradas pelos Estados Unidos, pela Inglaterra e pela França – lançam mísseis sobre a Líbia.

No entanto, a ação militar internacional na Líbia não é consenso na União Europeia. A Alemanha, por exemplo, é contra a intervenção. Porém, todos concordam que o presidente líbio, Muammar Khadafi, deve abrir mão do poder.

Na mesma reunião, os ministros europeus determinaram o congelamento dos bens do ex-presidente egípcio Hosni Mubarak e de outras 18 pessoas do seu círculo mais próximo. Em fevereiro, Mubarak deixou o poder sob forte pressão popular e da comunidade internacional. Ele é acusado de corrupção e violação de direitos humanos.

Também na reunião de hoje, a União Europeia aprovou a ampliação de sanções à Bielorrússia com restrições financeiras e de viagens a outras 19 personalidades do governo de Alexandre Lukashenko. Em janeiro, foram impostas restrições a Lukashenko e a 150 pessoas com ligações no governo, em resposta à repressão dos protestos no país após as eleições presidenciais de dezembro de 2010.

Edição: Graça Adjuto

InternacionalLibiaMubarakkhadafisançõesunião europeia» Leia também:

Secretário-geral da ONU pede que Líbia cumpra novo cessar-fogo

Governo da Líbia anuncia cessar-fogo

Quatro aviões do Catar se juntam à coalizão internacional em ação na Líbia