Um dos líderes do regime norte-coreano morrem vítima de acidente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 27 de outubro de 2003 as 04:47, por: cdb

O secretário do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, Kim Yong Sun, encarregado das relações com a Coréia do Sul, morreu no último domingo, em conseqüência dos ferimentos sofridos em junho em um acidente de trânsito. A informação foi divulgada pela emissora Central do país comunista.

Kim, de 69 anos, um dos homens de confiança mais próximos do líder norte-coreano, Kim Jong Il, tinha representação na Assembléia Popular Suprema e foi o presidente do Comitê de Paz da Ásia-Pacífico, além de secretário do Partido dos Trabalhadores para os Assuntos Sul-Coreanos e Japoneses.

O político foi uma das pessoas-chaves que organizaram a histórica cúpula entre as duas Coréias, realizada em junho de 2000 em Pyongyang entre o então presidente sul-coreano, Kim Dae Jung, e o líder norte-coreano, Kim Jong Il, e que abriu o processo de reconciliação na península.

Além disso, Kim viajou para a Coréia do Sul em setembro de 2000 como emissário especial do líder norte-coreano com o objetivo de acelerar as relações entre ambos os países. Kim assinou em 1990 com uma delegação parlamentar japonesa uma declaração conjunta para normalizar as relações bilaterais e, desde então, se tornou uma peça fundamental nas negociações com o Japão.

Embora não tenham sido divulgados maiores detalhes sobre as causas de sua morte, fontes sul-coreanas disseram que o jornal japonês Tokyo Shimbun informou em agosto que Kim ficou gravemente ferido na cabeça em um acidente de trânsito no dia 16 de junho e que, apesar de ter sido operado, não recuperou a consciência.

O governo de Seul emitiu um comunicado no qual além de indicar que se estuda o envio de uma mensagem de condolências, expressou sua crença de que, apesar do falecimento de Kim, as relações entre as Coréias do Norte e do Sul transcorrerão sem grandes mudanças.