UE promete doar 45 milhões de euros à ANP

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 8 de junho de 2003 as 10:11, por: cdb

A União Européia (UE) prometeu conceder 45 milhões de euros à Autoridade Nacional Palestina (ANP) para financiar a reforma de seus organismos de segurança, vitais para a aplicação do plano de paz conhecido como “Mapa de Rota”. A proposta foi feita no povoado de Jericó, na Cisjordânia, ao coronel Mohamed Dahlan, responsável por esses organismos no Ministério do Interior dirigido pelo primeiro-ministro da ANP, Abu Mazen (Mahmud Abas).

De acordo com o jornal israelense Jerusalem Post, que não diz quem foi o interlocutor europeu, a promessa foi apresentada na sexta-feira passada, 48 horas depois da reunião de Ácaba para a implementação do plano de paz. Participaram da cúpula de Ácaba o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e os primeiros-ministros de Israel, Ariel Sharon, e da ANP, Mazen.

As fontes também disseram ao jornal que os organismos policiais da ANP obterão da UE e dos Estados Unidos veículos e equipamento para a segurança na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Devido à realização da cúpula de Ácaba e às posições de Mazen, as cinco facções da resistência armada palestina romperam com a ANP e cancelaram conversas com o primeiro-ministro para declarar um cessar-fogo por dois anos, até 2005, visando a possibilitar o reatamento das negociações de paz com Israel, concretizando a criação de um Estado palestino.

O vice-ministro de Exteriores, Majdi al-Jalidi, declarou que a ANP terá que investir US$ 500 milhões para reequipar seus organismos de segurança e reconstruir a infra-estrutura em Gaza e na Cisjordânia, destruída pelas Forças Armadas de Israel em represália pelos ataques da resistência palestina.

Três das facções da intifada contra a ocupação israelense na Cisjordânia e em Gaza – o Hamas, a Jihad Islâmica e o braço armado da Al Fatá, as Brigadas dos Mártires de Al Aqsa – assumiram a autoria da morte de quatro soldados israelenses no norte da Faixa de Gaza. Três de seus militantes, disfarçados com uniformes do Exército israelense, entraram numa base militar da região industrial de Erez e também deixaram feridos outros quatro soldados antes de serem mortos.