Tumultos seguem para o interior da França

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 5 de novembro de 2005 as 10:21, por: cdb

Pela nona noite consecutiva, grupos de jovens – a maioria filho de imigrantes africanos e do Oriente Médio – protestaram nos subúrbios de Paris, e estabeleceram mais um episódio de revolta, incêndios e depredações. Diante das autoridades atordoadas diante da dimensão dos fatos, as cenas de vandalismo se reproduzem, agora, em outras cidades no interior do país. Nos cálculos da polícia, foram queimados até agora 754 veículos em Paris, Estrasburgo, Rennes Toulouse e Lille.

Alta taxa de desemprego e uma política segregacionista e impeditiva de qualquer ascendência social no país seja quanto aos imigrantes de origem africana, os chamados pied noir (pés pretos), seja aos muçulmanos, são as principais causas da frustração que explodiu há mais de uma semana, quando dois adolescentes morreram eletrocutados enquanto fugiam da polícia. Segundo a polícia, pequenos incidentes foram registrados em províncias de outras partes do país.

Embora cerca de 1,4 mil homens estejam estacionados em Seine-Saint-Denis, bairro no subúrbio de Paris onde começou a revolta, os manifestantes não se intimidaram e mantiveram os atos de protesto ao longo de toda a madrugada. Até agora, os pedidos do primeiro-ministro Dominique de Villepin para que a população se acalmasse não surtiram qualquer resultado, enquanto cresce a pressão sobre ele para conter a situação na medida em que os tumultos se alastram para outras cidades francesas.

Uma marcha silenciosa aconteceu, neste sábado, com a presença de líderes religiosos católicos, protestantes e muçulmanos, em Aulnay-sous-Bois, bairro populoso, onde moram muitos imigrantes.