Tribunal revoga prisão perpétua de mãe que afogou cinco filhos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de janeiro de 2005 as 16:10, por: cdb

Um Tribunal de Apelações do estado do Texas revogou nesta quinta-feira a condenação à prisão perpétua imposta a Andrea Yates, uma mãe que afogou seus cinco filhos, por erros detectados no depoimento de uma das testemunhas.

Os membros do Tribunal que revogaram a sentença argumentaram que foram descobertos erros no testemunho de Park Dietz, um especialista em psiquiatria do estado.

– Chegamos à conclusão de que há uma razoável probabilidade de que o falso testemunho do doutor Dietz tenha influenciado a sentença do júri – indica a resolução unânime ditada hoje pela Corte de Apelações.

O psiquiatra, que testemunhou a pedido da Procuradoria, apresentou falso testemunho quando disse que Yates pode ter sido influenciada a cometer os assassinatos por um episódio da série de televisão “Law & Order“.

Nesse capítulo da série, que na verdade não chegou a ser transmitido e Yates nunca viu, a personagem era uma mulher que sofria de depressão pós-parto, afogou seus filhos em uma banheira e foi declarada inocente por razões de demência.

O procurador do Condado de Harry, Joe Ownby, já anunciou sua intenção de recorrer desta decisão judicial, ao considerar que o testemunho do médico não foi tão fundamental para a resolução do caso.

O júri do Texas declarou Yates culpada de assassinato em março de 2002, e a condenou à prisão perpétua, com 40 anos de prisão mínimos sem possibilidade de liberdade condicional.
Yates admitiu em junho de 2001 que afogou em uma banheira seus cinco filhos, de entre 7 anos e seis meses de idade, mas se declarou inocente por razões de demência e alegou que sofria de depressão pós-parto.