Transportes recebem mais investimentos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 2 de janeiro de 2006 as 14:09, por: cdb

O setor de Transportes no Estado do Rio conta, além da compra dos 20 novos trens e reforma de outros 18, com o início das obras de ampliação da Linha 1 do Metrô rumo à Estação Cantagalo, em Copacabana, ampliação do Aeroporto Internacional da Região dos Lagos, em Cabo Frio, e regulamentação do transporte complementar. Projetos como o Passe Especial, um investimento mensal de R$ 8 milhões, beneficiando doentes crônicos, portadores de deficiência e estudantes da rede oficial de ensino, com gratuidade nos ônibus, metrô, trens, barcas e vans também foram realizados, segundo balanço de autoridades do setor. Outra importante medida é a integração entre os diversos modais que já beneficia moradores de várias localidades da Região Metropolitana.

Em março, foi apresentado o Plano Diretor de Transportes Urbanos (PDTU), um perfil da situação do setor na Região Metropolitana, levantando demandas e apontando soluções para as mesmas. Discutido com os municípios – Rio, Niterói, São Gonçalo, Maricá, Itaboraí, Duque de Caxias, Magé, Guapimirim, Tanguá, São João de Meriti, Belford Roxo, Nilópolis, Nova Iguaçu, Queimados, Japeri, Itaguaí, Seropédica, Mangaratiba, Paracambi e Mesquita – o plano nortea vários projetos da secretaria.

Responsável pelo transporte de grande parte dos trabalhadores, o sistema ferroviário recebe atenção especial do governo Rosinha Garotinho. Nada menos que US$ 100 milhões foram investidos na compra de 20 trens coreanos que serão incorporados ao Ramal Deodoro, que possui uma média diária de 180 mil passageiros. O primeiro deles chega ao Rio no início de 2006. Também foram entregues, este ano, quatro trens reformados com ar-condicionado e, hoje, 10 “Geladões” já circulam no Ramal Deodoro. Até o final do governo, 18 “Geladões” integrarão o sistema ferroviário, com investimento total de R$ 85 milhões.

Orçada em R$ 31.830.649,29, foi iniciada a reforma e ampliação da Estação Ferroviária de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, que será a maior e mais moderna do estado. A obra é fundamental pois unirá as duas áreas do Centro do município, hoje separadas pela linha férrea. O projeto deverá levar entre seis e oito meses para ser concluído e prevê a instalação de seis escadas rolantes e três elevadores para o acesso dos portadores de necessidades especiais e idosos. As ações chegaram também à Coderte (Companhia de Desenvolvimento Rodoviário e Terminais), com a recuperação dos estacionamentos da Rua Miguel Couto, da Avenida Nilo Peçanha, e do 13º andar do Edifício Garagem Menezes Côrtes, no Centro do Rio.