Tragédia do Columbia: Nasa quer investigação exaustiva

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 2 de fevereiro de 2003 as 20:51, por: cdb

O administrador da Nasa, Sean O’Keefe, prometeu neste domingo, numa entrevista à CNN, que a agência norte-americana fará uma investigação extremamente minuciosa sobre a tragédia do ônibus espacial Columbia, que matou seus sete tripulantes, no sábado, acrescentando que as autoridades esperam que destroços da nave forneçam pistas sobre a causa da explosão.

“Nós vamos descobrir o que causou isso, nós vamos corrigir isso, com certeza, e vamos garantir que jamais aconteça de novo”, declarou O’Keefe.

O Columbia fragmentou-se em milhares de pedaços ao entrar na atmosfera da Terra, na manhã de sábado, depois de uma missão de 16 dias no espaço, e seus destroços espalharam-se por uma vasta área cobrindo os estados norte-americanos de Texas e Louisiana.

Neste domingo, diretores da Nasa reuniram-se na sede do controle da missão da agência, em Houston, para começar a investigar os registros do vôo.

Investigadores preparavam-se, também, para visitar a fábrica da Lockheed Martin, em Nova Orleans, onde os tanques externos de combustível, de mais de 30 metros de altura, são construídos.

A companhia já separou para análise dados pertinentes à produção dos tanques, como parte das investigações, segundo um porta-voz.

Quando o Columbia foi lançado, em 16 de janeiro, um pedaço de espuma soltou-se de seu tanque de combustível e atingiu o revestimento resistente ao calor na sua asa esquerda.

Mas depois de uma extensa análise, autoridades da Nasa determinaram que o acidente não representava uma preocupação em relação à segurança da nave, segundo o diretor do vôo Milt Heflin, que fez seu comentário no sábado.

O Columbia desintegrou-se a cerca de 40 mil metros de altitude, sobre o Texas, viajando a uma velocidade 18 vezes maior que a do som, enquanto se preparava para pousar no Centro Espacial Kennedy, em Cabo Canaveral, na Flórida.

Controladores de vôo receberam indicações de um excessivo aquecimento na estrutura da nave e a perda de dados dos sensores do lado esquerdo do ônibus espacial, poucos antes de perderem todos os contatos.

O fato de a asa esquerda ter sido atingida, durante o lançamento, por um destroço, significa que esse dado terá que ser exaustivamente investigado, segundo Heflin.

Referindo-se ao futuro do programa de ônibus espaciais, o administrador da Nasa O’Keefe disse esperar que estes sejam reiniciados em breve para trazer de volta os três astronautas que se encontram a bordo da Estação Espacial Internacional.

“A estação, dois astronautas norte-americanos e um cosmonauta russo dependem de nós”, completou.