“Trabalho Sujo” mistura comédia, romance e humor negro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de dezembro de 2010 as 10:19, por: cdb

Seja lá o que as atrizes Amy Adams e Emily Blunt e o ator Alan Arkin tinham em mente quando aceitaram participar de Trabalho Sujo, isso não parece ter muito a ver com o resultado final do longa. Amy, que é capaz de transitar do drama (Dúvida) à comédia (Retratos de Família), se esforça para dar credibilidade a uma personagem que nasceu destinada a não fazer sentido. O filme entra em cartaz em São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador.

A diretora Christine Jeff (Sylvia, Chuvas de Verão) sabe da qualidade de seu elenco e apoia boa parte do filme em cima da dupla de atrizes – mas, claro, isso não é suficiente para evitar os acidentes de um roteiro sem pé ou cabeça, ou o mínimo de sagacidade.

A premissa parte de uma história um tanto absurda, que procura suscitar simpatia pelos estranhos excêntricos e sem sorte que estão ao centro de Trabalho Sujo.

Amy e Emily interpretam Rose e Nora, duas irmãs sem qualquer perspectiva na vida. A primeira é uma promessa que não se cumpriu. Mãe solteira, trabalha como faxineira e espera juntar dinheiro para fazer um curso de corretora de imóveis. Nas horas vagas, mantém um caso com seu ex-namorado, o policial Mac (Steve Zahn) – que lhe dá uma sugestão de trabalho: limpar locais de crimes.

Ele explica que, quando ela chegar para limpar, os corpos já terão sido retirados e só terão de tirar sangue e vísceras – o que não impede a irmã, Norah, de vomitar no primeiro trabalho. Rapidamente – aliás, muito rapidamente e quase sem problemas -, as moças aprendem o novo ofício e até compram uma van na qual estampam o nome da empresa Sunshine Cleaning – que também é o título original do filme.

A palavra ‘Sunshine’ não está ali por acaso – assim como Alan Arkin. O filme é dos mesmos produtores de A pequena Miss Sunshine, em que ator trabalhava, e a história evoca o mesmo clima e tipos de personagens. O humor negro, no entanto, aqui, não funciona tão bem. A diretora vaga de um lado para outro, entre a comédia, o drama e o romance, sem atingir densidade em nenhuma direção.

A estranheza desse trabalho e os temperamentos diferentes das irmãs, aparentemente não bastam para segurar um filme – ao menos, na cartilha da roteirista estreante Megan Holley. Então, ela criou uma subtrama que envolve o passado misterioso das mães das garotas. Um trauma ainda as persegue o trabalho poderá ajudar a expurgá-lo.

O único personagem consistente e real em Trabalho sujo é Winston (Clifton Collins Jr.). Dono de uma loja de materiais de limpeza, e aficionado por miniaturas, é ele quem traz certo senso de observação e sagacidade para o filme – exatamente o que falta aos demais.