Torcida santista faz sua parte

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de julho de 2003 as 04:38, por: cdb

Ao perder para o Boca Juniors, nesta quarta-feira, o Santos adiou o sonho do terceiro título da Copa Libertadores de América. A torcida, porém, fez o seu papel. Se vestiu de preto e branco e se reuniu onde podia. Em bares, restaurantes, em calçadas, e na Praia do José Menino, onde se reuniu o maior número de santistas (fora o estádio do Morumbi).

A prefeitura da cidade armou dois telões em um parque de diversões, o que atraiu mais de três mil pessoas. Um dos telões foi armado no palco de shows. O outro, bem no meio do parque, em frente aos brinquedos.

A Polícia Militar reforçou o contingente na cidade. “Estamos com mais 150 homens do que o normal”, disse o capitão Eli, responsável pelo policiamento.

A torcida estava muito confiante e otimista. Logo no início do jogo, a cabeçada de Alex, salva em cima da linha por um zagueiro e leva as pessoas ao delírio. Tudo indicava que o time venceria. Esse otimismo aumentou quando Robinho cabeceou rente à trave. A torcida foi ao delírio novamente.

Mas isso não durou muito. O gol de Tévez abriu o placar para os argentinos, desanimando assim, a torcida santista. Leandro de Oliveira, um caixa de supermercado, sentenciou. “O Boca vai ganhar por 2 a 1.”

No segundo tempo, o Santos precisava de um milagre. A torcida ainda acreditava. O time teria que fazer 3 gols para ir para os pênaltis. O Santos jogava bem, pressionava, criava chances, emocionava.

Aos 29 minutos Alex empata. Só se ouvia os gritos de desabafo da torcida. Mas ainda faltavam dois. O Santos partiu para cima do Boca. Os jogadores empolgaram pelo espírito de luta. Incrível, eles fizeram crer que poderiam virar.

Mas aí saiu o segundo gol dos argentinos. Nesse instante, o desânimo tomou conta da torcida, metade das pessoas deixaram as areias da Praia do José Menino. A outra metade fez cara de choro.

No final do jogo, alguns torcedores foram para a Praça Independência, palco de muitas comemorações em Santos. E festejaram, não como eles queriam, mas ser vice no continente é importante.