Torcida organizada veta retorno de Romário ao Vasco da Gama

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 11 de dezembro de 2002 as 23:40, por: cdb

O atacante Romário não encontrará um ambiente muito favorável, caso retorne ao Vasco em 2003. Nesta quarta-feira, o advogado Marcelo Granzotto, presidente da Força Jovem, facção que entrou em conflito com o Baixinho na sua última passagem pelo clube, de 2000 a 2002, afirmou que nem imagina a possibilidade de vê-lo novamente com a camisa cruzmaltina.

“Tenho certeza de que ele não volta e nem penso nessa hipótese. A torcida é totalmente contrária porque ele não respeita a camisa do Vasco. Espero que a diretoria pese os prós e os contras e tome a decisão certa, que é manter este jogador longe do Vasco”, afirmou.

Parte da torcida do Vasco não perdoa Romário pelo fato dele, além de ter jogado no arqui-rival, ter festejado os gols marcados no ex-clube com frieza e sem provocar a torcida adversária.

O problema se agravou em maio de 2001, quando, após deixar o campo na partida contra o Concepción, em São Januário, pela Copa Libertadores da América, Romário ouviu gritos da Força Jovem por Edmundo e respondeu com gestos obscenos.

A partir daí, o problema entre a facção e Romário se agravou, chegando a ponto de os torcedores terem pintado “Romário, a Força Jovem vai te matar” no corredor entre o vestiário e o campo do Maracanã, antes de uma partida contra o Flamengo.

Neste mesmo jogo, Romário usava por baixo da camisa do Vasco uma outra, na qual estava escrito “Sou Jovem, saudável e com muita Raça”, numa referência a duas torcidas arqui-rivais da Força Jovem, principal facção cruzmaltina – a Torcida Jovem do Flamengo e a Raça Rubro-Negra.

Com Romário fora dos planos da torcida, o sonho é com o retorno do “Animal” Edmundo. Segundo Granzotto, o jogador, que costuma comemorar acintosamante gols marcados contra o Flamengo, encarna o espírito vascaíno.

“São poucos os jogadores que atuam com amor no futebol de hoje e o Edmundo é um deles. Ele vibra com o Vasco, joga com alegria”, analisa.

Outro jogador que esteve próximo em cair em desgraça com a torcida, no entanto, está perdoado. O volante Léo Lima, que chegou a ser agredido por integrantes da Força Jovem após o empate em 1 x 1 do Vasco com o Botafogo, voltou às boas com a facção.

“O problema do Léo Lima é que o sucesso subiu à cabeça e ele se perdeu um pouco. Mas o empresário fez um trabalho psicológico, aproximou-o da torcida e não temos mais qualquer problema. Futebol ele tem”.

Ao contrário do esperado, a possibilidade de o time ter pelo menos quatro ex-jogadores do Flamengo – Petkovic, Bruno Lazaroni, Marques e Cleison – não incomoda a Força Jovem não o incomoda:

“Desde que eles respeitem a camisa do Vasco e joguem com raça, não tem qualquer problema. Não pode é ser igual ao Romário”.