Tiroteio assusta moradores do Complexo da Penha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 29 de novembro de 2012 as 11:56, por: cdb
Mais uma noite de tiroteio no Complexo da Penha

Policiais de UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) do Complexo da Penha, Zona Norte do Rio de Janeiro, se envolveram em um confronto com traficantes na comunidade. O caso mais recente ocorreu na noite de quarta-feira. Segundo a CPP (Coordenadoria de Polícia Pacificadora), policiais estavam em patrulhamento pela rua Seis, na comunidade Parque Proletário, quando viram um grupo suspeito próximo à esquina com a rua Vinte e Nove.

De acordo com a polícia, depois que PMs deram a ordem para que os suspeitos encostassem no muro para serem revistados, dois deles atiraram contra os policiais, que revidaram. O grupo conseguiu fugir e ninguém ficou ferido.

Na terça-feira, um adolescente foi apreendido por policiais da UPP Parque Proletário, após uma troca de tiros na rua Seis. De acordo com informações da Coordenadoria de Polícia Pacificadora, policiais faziam patrulhamento na comunidade quando encontraram três suspeitos vendendo drogas. Ainda segundo a polícia, ao verem os policiais, os suspeitos começaram a atirar. Eles  conseguiram fugir, deixando para trás cápsulas de pistola.

Após buscas na região, os PMs localizaram um adolescente suspeito de fazer parte do grupo. De acordo com a polícia, ele havia entrado em uma casa da comunidade para se esconder. Com o jovem, os PMs encontraram uma mochila com 58 pedras de crack, 44 papelotes de cocaína e uma trouxinha de maconha. Segundo informações do portal R7.

Ainda de acordo com o portal R7, na quarta-feira, PMs da UPP Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, foram atacados a tiros. Bandidos dispararam contra uma viatura na localidade do Grotão e contra um contêiner que serve como base da UPP na localidade da Merendiba. Ninguém ficou ferido. Policiais que registravam uma ocorrência na Delegacia da Penha (22ª DP) foram para a comunidade em apoio aos policiais da UPP.

A polícia acredita que o ataque tenha sido uma represália à morte de Gledson Paiva de Souza, conhecido como Novinho, de 23 anos, em troca de tiros com PMs da UPP Nova Brasília. Os Complexos do Alemão e da Penha receberam oito UPPs entre abril e agosto deste ano.