Tire as suas dúvidas sobre o chocolate

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de abril de 2006 as 22:13, por: cdb

Depois de três dias entre fileiras de ovos de Páscoa, sobremesas deliciosas e muita, mas muita caloria, saiba porque o chocolate, vilão das dietas, pode ser consumido com moderação por pessoas saudáveis, sem maiores traumas. Nutritivo, contém vitaminas e sais minerais, além de alto teor de flavonóides, antioxidantes que podem ajudar a reduzir os riscos de doenças cardiovasculares, e de substâncias precursoras da serotonina, responsável pela sensação de prazer e bem-estar.

Tire agora as suas dúvidas quanto aos benefícios, e malefícios, dessa iguaria que tira muita gente do sério.

Afinal, o chocolate faz bem à saúde?

Estudos, não conclusivos, mostram que os antioxidantes presentes no chocolate amargo combatem os radicais livres, retardando, assim, o envelhecimento, e ajudam a diminuir os níveis de LDL (o mau colesterol) no sangue. Ele contém vitaminas (A, B, C, D e E) e sais minerais, como o ferro e o fósforo. De qualquer modo, por ser altamente calórico, deve ser consumido com moderação inclusive por pessoas saudáveis. O chocolate ao leite e o branco são os menos recomendados, devido às gorduras saturadas presentes no leite.

Qual é a quantidade máxima recomendada por dia?

A Organização Mundial de Saúde não recomenda o consumo de nenhum tipo de doce. Para quem não resiste, o importante é não ultrapassar o limite diário de até 50 gramas, em função dos altos teores de açúcar e gordura.

Qual tipo de chocolate é mais calórico?

O chocolate amargo e o ao leite têm praticamente as mesmas calorias.

Chocolate diet engorda?

Como não tem açúcar na composição, o teor de gordura do diet precisa ser maior, para garantir a mesma consistência. Em alguns casos, ele chega a ser mais calórico que o chocolate comum, por isso é indicado apenas para diabéticos, não para pessoas com restrição calórica. Já os light têm menos gordura e, por isso, menos calorias.

Quem não pode comer chocolate?

Pessoas sensíveis podem ter enxaqueca provocada por alergias ou devido à ação de substâncias vasodilatadoras presentes no chocolate, além de irritações na pele, no estômago e na mucosa intestinal. A tosse pode ocorrer como manifestação alérgica, embora não seja comum. A diarréia pode ser causada pelo consumo excessivo, devido ao alto teor de gordura, razão pela qual pessoas com problemas no fígado devem evitá-lo. Estima-se também que de 10% a 15% das pessoas com doenças labirínticas tenham problemas com o metabolismo de açúcar.

A partir de que idade o consumo de chocolate é liberado?

Ele deve ser desestimulado em qualquer idade, devido ao alto teor de açúcar e gordura. Quanto mais cedo a criança começar a comer chocolate, pior. No primeiro ano de vida, as chances de intolerância à lactose (açúcar encontrado no leite animal) são maiores.

Chocolate causa espinha?

Nenhum estudo científico comprova a relação entre o consumo de chocolate e o surgimento de espinhas. Alguns dermatologistas, no entanto, afirmam que pacientes com propensão à acne relatam piora após a ingestão exagerada de chocolate. Já os efeitos de cosméticos e tratamentos para a pele à base de chocolate, disponíveis desde a Antigüidade, são duvidosos. O óleo do cacau hidrata a pele apenas superficialmente, podendo ser usado em peles ressecadas ou envelhecidas, embora existam produtos mais eficazes.

E causa dependência o consumo de chocolate?

Sim. Ele contém três substâncias que podem provocá-la: a teobromina, a cafeína e a feniletiamina. Para ser caracterizada como dependente, a pessoa precisa consumir chocolate para se sentir bem ou ter sintomas depressivos quando fica muito tempo sem comê-lo. Geralmente, o problema afeta os indivíduos angustiados e os ansiosos.

Como são feitos os chocolates para pessoas alérgicas à lactose e ao glúten?

A maioria dos pro