Timão está na final

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de dezembro de 2002 as 23:56, por: cdb

Foi dramático. Após estar perdendo por 1 x 0 para o Fluminense, o Corinthians virou a partida com gols de Gil e Guilherme (2) e garantiu a vaga na final do Campeonato Brasileiro com a vitória por 3 x 2 (o Flu marcou seu segundo gol nos final da partida).

O Corinthians, que havia perdido no Maracanã pelo placar mínimo, precisava vencer o time carioca (por um gol de diferença) para ir à final.

Campeão do Rio-São Paulo e da Copa do Brasil, o Corinthians poderá ter o seu melhor ano da história. Jamais o time de Parque São Jorge levantou três troféus (importantes) em uma mesma temporada. Desta vez, o adversário será o rival Santos, que desbancou o Grêmio.

O atacante Guilherme, que no Rio de Janeiro havia desperdiçado uma penalidade, se redimiu e caiu nos braços da Fiel. “Eu tinha prometido dois gols. Cumpri”, disse o camisa sete para Parreira, na segunda comemoração.

Quanto ao Flu, do novato técnico Renato Gaúcho e do astro Romário, o time deixou o campo de “cabeça erguida”. O Tricolor se classificou na sétima colocação e passou, nas semifinais, pelo então favorito São Caetano. Roni (2) descontou para os cariocas.

Deu tudo certo para o Fluminense no início da partida. O Corinthians tocava a bola sem objetividade e Roni, logo aos 20min, abriu o placar. Zada cobrou rápido uma falta e serviu o atacante, livre de marcação.

A equipe carioca, que jogava com a vantagem, entrou em campo com uma nova formação. Trocou os três atacantes que jogaram no Maracanã por três zagueiros, e não dava espaços ao Timão.

Bem postado, o Tricolor anulava as principais armas do Corinthians, que insistia em jogar pelas laterais, com Rogério e Kléber.

A tranqüilidade dos donos da casa, após o gol, virou desespero. O time partiu para o ataque e o Flu, sempre encaixando bons contra-ataques, assustava a Fiel, que lotou as dependências do Morumbi.

Aos 24min, Romário deu um pique e sentiu uma antiga contusão na virilha esquerda. Magno Alves foi solicitado. Enquanto isso, Guilherme e Deivid desperdiçavam chances de empatar o clássico.

No entanto, valeu a persistência de Gil, o mais lúcido jogador do Corinthians. Rogério, aos 35min, cruzou na cabeça do atacante, que cabeceou firme, com os olhos fechados. Fogos de artifício e um alívio temporário no estádio.

Guilherme decide
Disposto a chegar à terceira decisão em 2002, o Timão adotou uma tática “kamikaze” no segundo tempo. Partiu para cima do Fluminense e deixava os seus zagueiros sozinhos com os atacantes do time carioca.

Deu certo. Apesar dos calafrios, aos 13min, Gil tocou para Kléber dentro da área e o lateral-esquerdo entregou a bola a Guilherme, que fuzilou Murilo.

O lance, como não poderia ser diferente, mudou o panorama do jogo. Sem Vampeta, que deixou o campo contundido, o Corinthians se retraiu e viu o Tricolor das Laranjeiras se lançar ao ataque.

Porém valeu a experiência do Timão e o oportunismo de Guilherme. De novo, aos 31min, o centroavante balançou as redes do Flu e cumpriu a sua promessa. Antes do jogo, ele havia afirmado: “Vou decidir”. Não deu outra.

Nem mesmo o bonito gol de Roni, aos 39min, abateu os corintianos, que gritavam “Olé!” e deixaram o Morumbi extremamente satisfeitos.

CORINTHIANS 3 x 2 FLUMINENSE

Corinthians
Doni; Rogério, Fábio Luciano, Scheidt e Kléber; Fabinho, Vampeta (Fabrício) e Renato; Deivid (Leandro), Guilherme (Juliano) e Gil
Técnico: Carlos Alberto Parreira

Fluminense
Kléber (Murilo); César, Augusto e Zé Carlos; Flávio, Marcão, Zada (Marco Brito), Beto e Marquinhos; Roni e Romário (Magno Alves)
Técnico: Renato Gaúcho

Data: 04/12/2002 (quarta-feira)
Horário: 21h40
Local: Morumbi, em São Paulo
Juiz: Heber Roberto Lopes (PR)
Cartões amarelos: César, Zada (F) Fabinho
Gols: Roni, aos 20min, Gil, aos 35min do primeiro tempo; Guilherme, aos 13min e aos 31min, Roni, aos 38min do segundo tempo